Marques Guedes: "Os empresários, portugueses ou angolanos, terão de ir ao leilão"

PS diz que é preciso fazer um inventário das pinturas e estudar eventual classificação antes do leilão em Londres.

Foto
Marques Guedes lembrou que existe um “contrato firmado” com uma leiloeira internacional Reuters

“Se houver empresários, sejam portugueses, angolanos, de qualquer outra nacionalidade, que tenham interesse – e oxalá haja – em adquirir, e adquirir para ficar em Portugal, isso será uma bela notícia. O que terão de fazer é ir ao leilão e conseguir adquirir aí essas obras de arte”, declarou Marques Guedes em conferência de imprensa, a seguir à reunião do Conselho de Ministros, e reportada pela Lusa.

O governante lembrou que existe um “contrato firmado” com uma leiloeira internacional, a Christie’s, e “é através do leilão que a venda vai ocorrer”.

Marques Guedes reagia assim à notícia, avançada hoje pelo Diário Económico, de que o empresário angolano Rui Costa Reis tinha apresentado ao Governo uma proposta de compra da colecção por 44 milhões de euros, assegurando a manutenção das obras em Portugal, e nomeadamente no Porto, durante 50 anos.

Já o PS, pela voz da deputada Inês de Medeiros, disse não ter que “tomar nenhuma posição” sobre a proposta do empresário angolano.

O PÚBLICO tentou ouvir a deputada Gabriela Canavilhas, que, na semana passada, no Parlamento, tinha avançado ter conhecimento de que havia “soluções em curso em cima da mesa do primeiro-ministro”, que passariam “por políticos e empresários”, que poderiam evitar a venda das obras de Miró em leilão em Londres.

Em reunião de trabalho fora do país, a ex-ministra da Cultura do governo socialista remeteu a resposta para Inês de Medeiros. A actriz e deputada diz não conhecer "o detalhe da proposta do empresário angolano", e acrescenta que o PS "não tem que ter uma posição" sobre ela.  Mas lembrou a posição em que o seu partido vem insistindo, desde o início do processo. “O que é preciso, primeiro que tudo, é fazer um inventário das obras e depois uma reflexão séria sobre aquelas que eventualmente justifiquem classificação, e que devem ficar em Portugal”.

Inês de Medeiros voltou a criticar a posição do Governo nesta matéria, cuja apregoada “transparência neste processo se mostra bem mais opaca e cheia de secretismo”. “O governo afirma-se sempre peremptório e taxativo, mas, afinal, anda a negociar por trás”, acusa a deputada, que estende as suas críticas à Direcção-Geral do Património, que tem “falseado os dados” relativos ao calendário do processo.