História do BPN ainda não está contada

A troca de palavras entre Barroso e Constâncio vem reavivar um caso há muito adormecido.

As conclusões das comissões não foram esclarecedoras e continua ainda muito por explicar. E mais há ainda a explicar quando aparece Durão Barroso a revelar que quando era primeiro-ministro chamou “três vezes o Vítor Constâncio a São Bento para saber se aquilo que se dizia do BPN era verdade”. O anterior governador do Banco de Portugal veio ontem responder, dizendo que não se recordava de ter sido convocado para falar “expressamente” sobre o caso BPN.

São revelações, de ambas as partes, que vêm acrescentar ainda mais dúvidas ao já de si duvidoso caso BPN. Mais do que dar resposta sobre o que se passou, o que disseram Constâncio e Barroso levanta novas interrogações. Tais como: por que é que só agora, passada uma década sobre o suposto encontro, é que Barroso se lembra de divulgar uma informação que, a ser verdadeira, poderia ser relevante para os trabalhos da comissão de inquérito? E depois de chamar Constâncio, as suas dúvidas ficaram esclarecidas? E Vítor Constâncio, se não se recorda dos encontros, o que veio acrescentar à discussão ao falar ontem com os jornalistas? E se Constâncio foi realmente a São Bento, que diligências fez ou deixou de fazer?

Infelizmente no caso BPN, passados todos estes anos, a única certeza é a conta que todos os meses chega aos contribuintes para pagarem.