Torne-se perito

A exposição permanente do Mude vira o disco e toca o Lado B

Mais peças de design português e mais de 90 peças nunca mostradas do acervo do Museu do Design e da Moda, em Lisboa, da cozinha de Daciano Costa ao esqui da Hermès.

Fotogaleria
Peças Chanel, Madame Grès e um BMW Isetta de 1953 Daniel Rocha
Fotogaleria
No núcleo dedicado aos anos 1960/70, a Vespa da Piaggio junto a peças Emilio Pucci Daniel Rocha
Fotogaleria
A renovação da exposição permanente acontece perto do 5.º aniversário do museu Daniel Rocha
Fotogaleria
O percurso sugerido pelo piso térreo continua o mesmo, mas há novas peças para ver Daniel Rocha
Fotogaleria
A cadeira Osaka de António Garcia em primeiro plano, peça de Eduardo Anahory e, ao fundo, as cadeiras Sena e a linha Cortez de Daciano Costa Daniel Rocha
Fotogaleria
As conservadoras-restauradoras ainda trabalham nos último pormenores Daniel Rocha
Fotogaleria
Uma das mais reconhecíveis peças da mostra, o cadeirão pontilhado de Alessandro Mendini de 1978 Daniel Rocha
Fotogaleria
Ao fundo, Big Easy de Ron Arad Daniel Rocha
Fotogaleria
Um coordenado Dior, de 1950, três anos depois do New Look Daniel Rocha

Uma máquina de costura, uma cadeira de assento de palhinha, uma torradeira e um fato de esqui Hermès dão-nos as boas vindas. É aqui que se começa a notar a diferença entre Único e Múltiplo versão 2009-2014 e Único e Múltiplo versão actual. O Museu do Design e da Moda (Mude) inaugura esta quinta-feira a sua nova abordagem da exposição permanente, com o mesmo título mas com novas peças e mais design português. Vemos também objectos menos conhecidos de designers muito conhecidos e mais peças iniciáticas do que imediatamente reconhecíveis. É o Lado B dos greatest hits do Mude.

“Renovar, mas mantendo o mesmo discurso histórico” era o objectivo, diz a directora do Mude, Bárbara Coutinho, mas se ali está o emblemático sofá Big Easy (1989) de Ron Arad, ou um vestido provocador da Moschino (Puta, puta, pero muy católica, de 1989/90), também se contam agora “pequenas histórias menos consagradas da evolução do design”. A ideia é “valorizar as peças que temos em colecção de autores marcantes que, não sendo as mais conhecidas, são outras, mais iniciais” dos seus trabalhos, explica a responsável e comissária da mostra com Anabela Becho, da equipa de conservação do museu e especialista em moda.  

E o descubra as diferenças começa logo nos primeiros núcleos, com a máquina de costura Pfaff de 1915 e o raro fato de esqui dos anos 1930 da refinada Hermès a assinalar não só as maravilhas da técnica mas a mudança dos estilos de vida, da valorização do sportswear aos novos hábitos domésticos. Uma torradeira da AEG ou a cadeira n.º 14 (1859) de Michael Thonet (depositada no Mude pelo Museu Nacional de Arte Antiga), “peças absolutamente pioneiras do design moderno”, completam a nova entrada evocando “o debate e investigação” que esteve na sua origem e que considera ser “fundamental para os alunos” que visitam o museu, exemplifica Bárbara Coutinho.  

O percurso no piso térreo do museu municipal, que completa cinco anos em Maio com uma nova mostra sobre Os Iconoclastas dos Anos 80, é o mesmo: ver passar o design e a história do mundo desde o final do século XIX em núcleos feitos de roupa e objectos, sofás e candeeiros, jarras, enceradoras e cinzeiros, continuando a viagem até aos anos 2000. Mas se antes reconhecíamos a colorida Bibliothèque Méxique de Charlotte Perriand ou o móvel de assento Living Tower de Verner Panton, por exemplo, agora vemos a cadeira Gonçalo – a icónica peça portuguesa de mobiliário de cafés e esplanadas fez 50 anos em 2013 e o original de Gonçalo Rodrigues dos Santos, junto com a sua versão reinterpretada por Alexandre Paulo Caldas por ocasião da efeméride, estão agora no núcleo do pós-II Guerra do Mude.

Além da cadeira que gerações de portugueses reconhecem do seu quotidiano, há ainda peças de Filipe Alarcão, Marco Sousa Santos, Fernando Brízio, Pedro Silva Dias, Eduardo Anahory e outras preciosidades como a cadeira e secretária da linha Cortez de Daciano Costa, as cadeiras escolares empilháveis de Sena da Silva ou a cadeira Osaka de António Garcia. “Parte da missão do Mude é também, na sua exposição permanente, começar a fazer a evolução do design em Portugal”, integrando por “direito próprio” alguns dos “pioneiros do entendimento moderno do que era a prática projectual”.

A estas peças da vida portuguesa junta-se, por exemplo e por doação da sua família, a cadeira desenhada pelo arquitecto dos hotéis Ritz e Tivoli Porfírio Pardal Monteiro (1930), vivida mas digna num dos primeiros núcleos da mostra entre um Dior (1950) e um impecável carrinho de chá de Alvar Aalto. E nada mais vivido do que o modelo de um trem de cozinha desenhado por Daciano, que o designer usava em sua casa, e que também é mostrado pela primeira vez.

São 190 peças, 160 das quais da colecção Francisco Capelo que constitui a base do acervo do Mude (cerca de 2500 peças de design industrial, de equipamento e de moda) e 30, sobretudo de design português, vindas das aquisições, depósitos e doações ao museu – a Fundação Gulbenkian depositou no Mude cerca de 30 peças de Aalto, Mies van der Rohe ou Le Corbusier, compradas para a inauguração do Centro de Arte Moderna em 1983. Das peças da colecção Capelo, 93 são mostradas ao público pela primeira vez. A exposição reflecte “uma maior maturação dos conteúdos e a integração das peças do acervo”, admite a sua directora.   

Com algumas peças entregues a conservadores e restauradores portugueses – um plissado de Madame Grès demorou mais de um mês a recompôr -, as comissárias frisam o seu contentamento com os novos diálogos criados em cada núcleo. E, assim, um coordenado da colecção Oversized (2000) da maison Martin Margiela conversa com a cadeira Tavares (2009) de Marco Sousa Santos, com o candeeiro Desque de Pedro Silva Dias (2005) a dar o seu palpite e a muito amarela cadeira Fibreglass de Marc Newson (1989) a dizer algo à sua congénere brasileira Taquaral (2000), dos irmãos Campana, e a Empty Chair (1994) de Ron Arad a rematar a coisa. 

Sugerir correcção