Liliana tem 34 anos e é licenciada em Relações Internacionais pela Universidade do Minho Renato Cruz Santos
Foto
Liliana tem 34 anos e é licenciada em Relações Internacionais pela Universidade do Minho Renato Cruz Santos

Bellator, a marca de equitação que acalma os cavalos

Tecidos contêm aroma que relaxa os animais. As cores do pêlo e das crinas são fonte de inspiração

A Bellator tem duas caracteríticas fundamentais: a inspiração é o cavalo lusitano e a inovação reside na utilização de materias com propriedades que tranquilizam os animais. 

"Qualquer coisa que eu veja no cavalo lusitano serve de inspiração. Por exemplo, as cores do pêlo e das crinas, as texturas, os padrões e outros detalhes como as tranças”, explica Liliana Silva, a criadora da Bellator, uma marca de roupa para equitação.

Mas a inovação reside mesmo nas características específicas dos materiais. “Actualmente, estou a incorporar nos tecidos o aroma da essência Ylang Ylang, que funciona como um calmante, permitindo uma simbiose perfeita entre o cavalo e o cavaleiro”, acrescenta.

A ideia é lançar no mercado peças mais flexíveis, e peças mais confortáveis e resistentes para corresponder às exigências dos cavaleiros. "A Bellator pretende conciliar o vestuário técnico com o vestuário de moda, sempre a pensar na melhor performance dos cavaleiros e nos amantes do estilo equestre", promete a sua criadora. Para tal, Liliana enfrentou o seu medo de andar a cavalo e estudou as necessidades do seu público-alvo. “A grande preocupação é sempre a qualidade e conforto, por isso", afirma, "testo os materiais e protótipos de forma a identificar as falhas e a aperfeiçoar os modelos”.

A Bellator surgiu de uma necessidade banal: "Eu andava à procura de umas calças mais confortáveis para as aulas de equitação da minha filha e, como não as encontrava, pensei: 'Não as encontro mas vou inventá-las!'", conta a criadora.

E assim surgiu a marca. E, já agora, porquê Bellator? “Lembrei-me do nome Bellator (guerreiro em latim) porque, na altura em que criei o projecto, parti de uma fase de dificuldades [desemprego] para novas conquistas. Então", explica, "achei que o nome assentava perfeitamente”.

Neste momento, a marca está a aceitar encomendas através do seu site, mas o processo de comercialização vai realizar-se maioritariamente em centros hípicos e em lojas de artigos equestres. Já os preços variam consoante o serviço prestado. “Uma das vantagens da marca é o seu serviço de alfaiate e a possibilidade de oferecer ao consumidor a adaptação das peças às suas necessidades diárias”, informa. No futuro, Liliana tem como prioridade a internacionalização da marca: “para além de lançarmos a loja online, vamos marcar presença nos jogos equestres mundiais em França e nos próximos Jogos Olímpicos no Brasil”.