FC Porto queixa-se de “delito de intenção” para reclamar três pontos ao Sporting

Portistas acusam "leões" de coacção sobre os árbitros.

O Sporting ganhou 1-0 ao FC Porto em Alvalade
Foto
O Sporting ganhou 1-0 ao FC Porto em Alvalade Foto: AFP.

O FC Porto reclama a sanção de uma derrota para o Sporting na participação disciplinar enviada esta quinta-feira à Liga de Clubes, na qual sugere “delito de intenção” no “clima de intimidação” à arbitragem da Liga.

No documento dirigido à Comissão de Instrução e Inquéritos (CII) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, a que a agência Lusa teve acesso, a SAD portista acusa o Sporting e o seu presidente, Bruno de Carvalho, de coacção, relatando exaustivamente o que considera "uma estratégia de intimidação e condicionamento que deu frutos".

O FC Porto alega que essa mesma coacção tem sido exercida sobre a arbitragem em geral, e foi-o, em particular, sobre a equipa de Pedro Proença, que dirigiu o "clássico" da 23.ª jornada, exemplificando com o golo da derrota dos "dragões", "precedido por um claro fora-de-jogo".

Na participação, o capítulo da coacção é aquele em que os portistas não poupam argumentos e exemplos, aludindo ao "ambiente de hostilidade, intimidação e maledicência que os denunciados vinham tendendo desde o início da época", e que "atingiu o seu zénite" na semana que antecedeu o encontro entre os dois emblemas.

Os portistas referem a conferência de imprensa de Bruno de Carvalho a 10 de Março, na qual o presidente leonino fez contas diferentes da classificação em vigor, reclamando a liderança do campeonato, assim como um texto seu na página pessoal na rede social Facebook e a criação do Movimento Basta.

Para os portistas, tudo o que foi dito, reportado e escrito da parte do líder leonino reflectiu-se numa "encenação mediático-intimidatória", que contou com "outra cartada" a dois dias do encontro, quando, em comunicado, o Sporting anunciou procedimentos litigiosos contra os árbitros e dirigentes associativos e federativos.

Segundo a participação da SAD portista, nesse comunicado, emitido na antevéspera do "clássico", o Sporting ameaçou os árbitros "com acções judiciais pelas suas decisões - deliberadas ou não; evitáveis ou não! - que se tenham repercutido na perda de pontos" na época anterior, assim como para a distância de sete pontos para o primeiro classificado, o Benfica, na actual.

Por isso, "através das iniciativas descritas, que culminaram com o comunicado de 14 de Março, o Sporting pretendeu condicionar a arbitragem" do jogo entre "leões" e "dragões".

Ainda a esse propósito, a queixa sublinha: "Esta ofensiva, já de si qualificável como violência moral, foi depois reforçada com uma ameaça, nunca antes vista no futebol nacional, de recorrer a acções litigiosas, visando árbitros, dirigentes da arbitragem, órgãos federativos, LPFP, etc, para que o Sporting fosse compensado por prejuízos sofridos por decisões de arbitragens em jogos passados".

"Ao fazer esta ameaça mesmo em cima do seu jogo com o FC Porto, o Sporting quis amedrontar a equipa de arbitragem que iria dirigir essa partida, criando, através da intimidação, um constrangimento à sua liberdade de decidir de acordo com a sua consciência", relata a participação.

A SAD portista concluiu que "a actuação dos denunciados consubstancia-se numa infracção disciplinar de coacção", tipificando-a ao nível do "delito de intenção", isto é, "não sendo necessário comprovar que os destinatários da violência se sentiram efectivamente condicionados e/ou que, fruto da violência, a arbitragem acabou por decorrer num contexto de anormalidade com influência no resultado".

É precisamente com este último argumento, previsto no ponto 3 do artigo 66 do Regulamento Disciplinar, que o FC Porto reclama a perda de três pontos pelo Sporting: “Os factos referidos (...), quando na forma de tentativa, serão punidos com sanção de derrota e, acessoriamente, com a sanção de multa de montante a fixar”.

Os portistas juntam ainda à participação os casos de vandalismo e ameaças aos interesses pessoais do árbitro Manuel Mota, as declarações de Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem, que disse "temer pela vida dos árbitros", e as de José Fontelas Gomes, da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, que afirmou haver "um clima de terror à volta da arbitragem, com consequências para o futebol português", e de "proporções insuportáveis”.