Projecto para o Museu do Caramulo vence Prémio Vilalva

Teresa Nunes da Ponte, autora do projecto, foi responsável, antes, pela requalificação da conhecida Escola Secundária Padro António Vieira, em Lisboa

Foto
Simulação das futuras salas do Museu do Caramulo DR

A arquitecta Teresa Nunes da Ponte, autora para a Parque Escolar do projecto de requalificação da conhecida Escola Secundária Padre António Vieira, em Lisboa, e coordenadora das recentes intervenções no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, é a autora do projecto, sendo este a receber o prémio no valor de 50 mil euros.

É "uma maneira de começar", diz a arquitecta, que não tem ainda um valor total para a intervenção e explica que o princípio base desta é de "homenagem ao projecto original" de Alberto Cruz, datado de 1954 e que considera "de grande qualidade".

Com soluções de grande originidade e eficácia, para a época, como vitrines expositivas de vidros inclinados, para evitar reflexos, e uma planta que se desenvolve em multiplos quadrados em volta de um claustro, o Museu do Caramulo ganhará apenas uma leitura contemporânea dos espaços já existentes, com uma nova distribuição das peças, o desenho de novos suportes expositivos, a introdução de novas tecnologias de iluminação e uma nova proposta gráfica (da autoria do atelier Pedro Falcão). 

"A intervenção [arquitectónica] resolve essencialmente problemas que o tempo foi causando", explica a Teresa Nunes da Ponte, que trabalhou numa equipa coordenada por Madalena Reis, neta dos fundadores do museu, ainda hoje mantido e gerido pela família, e de que fez parte a historiadora de arte Raquel Henriques da Silva, que participou na redefinição do percurso museológico. 

O júri – constituído pelo presidente do conselho de administração da Parques de Sintra - Monte da Lua António Lamas, o historiador José Sarmento de Matos, o arquitecto e designer José Pedro Martins Barata, a historiadora de arte Dalila Rodrigues e Rui Esgaio, secretário-geral da Gulbenkian – destacou a “relevância e oportunidade do projecto”, a “qualidade da intervenção proposta”, bem como o “criterioso respeito pelo edifício e museografias originais”, assinalando ainda o papel essencial que este museu vem desempenhando enquanto “polo dinamizador da vida cultural da região”.

Antes desta obra, o prémio contemplou o projecto de tratamento e divulgação da Biblioteca da Casa Sabugosa e São Lourenço, em Lisboa (2007), o Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja pelos projectos Monumentos Vivos e Festival Terras sem Sombra de Música Sacra do Baixo Alentejo (2008), a recuperação das ruínas romanas de Ammaia, em Marvão (2009), a Irmandade do Santíssimo Sacramento pela acção desenvolvida na recuperação da Igreja do Sacramento, no Chiado, em Lisboa (2009), o projecto de recuperação de um edifício pombalino na Baixa de Lisboa, da autoria do atelier José Adrião Arquitectos (2011) e o projecto de requalificação e musealização de um conjunto escultórico do século XIX, o Arcano Místico de Madre Margarida do Apocalipse (2012).