DR
Foto
DR

Megafone

inFAMOUS: poças, folhas e reflexos

O jogo, que será lançado a 21 de Março, é apontado como o primeiro exclusivo da Playstation 4 realmente forte

Poças de água, folhas e reflexos. Desde que me lembro de mim que fico fascinado — e não sou o único — quando há algo novo de espantoso nos videojogos. Fica aquela sensação de que “se fazem isto agora, imagina daqui a uns anos”. Contudo, por vezes também há aquela outra sensação de que se atingiu um limite, de que é difícil ser mais real, ou impressionante, do que aquilo. É só uma sensação, não é a realidade. Quando se joga na Seattle construída pela Sucker Punch para “inFAMOUS: Second Son” uma das primeiras coisas que saltam à vista são as poças de água, as folhas e os reflexos.

É normal. “inFAMOUS: Second Son”, que será lançado na próxima sexta-feira, dia 21, é apontado como o primeiro exclusivo da PlayStation 4, com origem num estúdio detido pela Sony, realmente forte — uma vez que “Killzone Shadow Fall” e “Knack” falharam em cumprir as expectativas, e apesar de “Killzone” também nos deixar boquiabertos visualmente. Mas as poças, folhas e reflexos são mais do que masturbação visual, são um suporte técnico para um mundo que sempre foi fascinante na PlayStation, porque a série “inFAMOUS” é dos “open world” mais satisfatórios que foram criados para consolas.

O tom deste “inFAMOUS: Second Son” é diferente dos títulos que ficaram para trás. Como Brian Fleming, co-fundador da Sucker Punch, apontou numa conferência de imprensa na semana passada, quiseram fazer uma espécie de reboot da série. Faz sentido, uma vez que é um título/franchise que será novo para muita gente que entrou agora no universo PlayStation com a PS4 e sendo este o primeiro grande exclusivo, é essencial que os consumidores não se sintam num qualquer vazio criado pelas vicissitudes de uma narrativa.

Contudo, é mesmo só uma “espécie” de reboot, porque o universo de “inFAMOUS” não ignora o que se passou nos episódios anteriores da série. “Second Son” toma como o realidade o final bom de “inFAMOUS 2”, ou seja, o Cole, o anterior protagonista, morreu para salvar a humanidade. Delsin é o novo herói, um condutor como Cole, ou seja, alguém com super-poderes que consegue conduzir um determinado tipo de energia específica e usá-la tanto para o bem como o mal.

Novo protagonista, portanto. E o que saltou logo à vista quando a personagem foi apresentada há cerca de um ano foi que Delsin parece ter um grande divertimento com os seus poderes. Em conversa com Ken Schramm, produtor do jogo, disse-nos que “Cole não sabia bem o que fazer com os poderes, sentia-os como uma maldição. O Delsin é diferente, nós vimos imensa gente a jogar, durante anos, os “inFAMOUS” e a primeira coisa que faziam quando começavam a jogar era divertirem-se com os poderes. Quando tivemos a oportunidade de criar uma nova personagem, quisemos criar uma que reflectisse o que o jogador sente, talvez assim ele se sentisse mais ligado a ela.

Cole não transmitia esse à-vontade ou boa disposição com os seus poderes, parecia desconfortável com a responsabilidade que tinha nas mãos. Delsin não. Pelo contrário, parece Peter Parker quando percebe que é melhor do que os outros, que pode escalar paredes e saltar entre edifícios.

Uma das características deste franchise é a possibilidade do jogador poder escolher entre ser um herói ou um vilão. Há um medidor de karma permanente que nos vai dizendo o que é que estamos realmente a fazer da nossa vida. Tanto um como o outro têm as suas desvantagens e vantagens, por isso é sempre mais uma escolha moral do jogador. E num universo onde estamos acostumados a meter a mão em super-heróis, por vezes sabe bem assumir o papel de vilão consequentemente. Há qualquer coisa na consciência que pesa quando matamos um civil em “inFAMOUS”, algo que não acontece quando se atropela alguém em “Grand Theft Auto”. Mas é divertido na mesma, é isso que importa.