O regresso da Crimeia à Rússia foi um dia de glória para Putin

Para os países ocidentais, foi um dia negro, em que o Presidente de um dos grandes países do mundo sancionou uma "confiscação de território". Para a Rússia, foi o princípio da cura do trauma do fim da União Soviética.

Putin deu um comício na Praça Vermelha, em Moscovo, ao fim do dia
Foto
Putin deu um comício na Praça Vermelha, em Moscovo, ao fim do dia KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP

O regresso da Crimeia à Rússia deu a Vladimir Putin um dia de apoteose, com um discurso no Parlamento que arrancou lágrimas aos espectadores e formalizou o acordo para a integração da Crimeia na Federação Russa com os líderes das autoridades pró-russas da península até agora ucraniana no Mar Negro. “A Crimeia e Sebastopol regressam ao porto de partida, à praia de origem, à Rússia!”, declarou o Presidente à multidão exultante que o esperava, ao fim do dia, na Praça Vermelha, gritando “Rússia!” e “Putin!”.

Ninguém diria que este é o mesmo Presidente alvo de protestos populares em 2012, quando buscava ser eleito para a presidência outra vez, após quatro anos como primeiro-ministro, trocando com Dmitri Medvedev. Desde então, Vladimir Putin procurava uma ideia galvanizadora para a sua presidência e, sublinha a Reuters, parece tê-la encontrado na recuperação da Crimeia para a Rússia, após a revolução na Ucrânia, que levou ao poder um governo provisório não reconhecido por Moscovo.

“No coração e na consciência de todos, a Crimeia sempre foi e continua a ser uma parte inseparável da Rússia”, afirmou Putin, recebido com uma ovação em pé pelos membros das duas câmaras do Parlamento russo (o Conselho da Federação e a Duma). Utilizou um artifício discursivo comum na Rússia, e do qual ele muito tem feito uso ao longo dos seus 14 anos no poder, diz a Reuters: descreveu o colapso da União Soviética em 1991 como um trauma para toda a nação russa.

“Milhões de russos adormeceram num país e acordaram noutro. Parte deles tornaram-se minorias étnicas nas ex-Repúblicas Soviéticas. Hoje, após muitos anos, ouvi muitos habitantes da Crimeia contar como se sentiram passados de mão em mão como sacas de batatas.” O Parlamento deve aprovar a entrada da Crimeia na Federação durante esta semana.

Para Putin, o referendo de domingo decorreu “em total acordo com os procedimentos democráticos e com as normas legais internacionais”, apesar de os líderes ocidentais considerarem que violou “o direito internacional”, como a chanceler alemã Angela Merkel já disse mais do que uma vez. O vice-presidente norte-americano Joe Biden não poupou palavras: “A Rússia alinhou toda uma paleta de argumentos para justificar o que não é mais do que uma confiscação de território”, afirmou, em Varsóvia, onde foi para assegurar o apoio dos EUA aos países da NATO. Ao seu lado, o primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, frisou que “a anexação não pode ser aceite pela comunidade internacional.”

Reconhecimentos
“Os passos dados por Putin para tentar anexar a Crimeia à Rússia são uma quebra flagrante da lei internacional e enviam uma mensagem arrepiante a todo o continente europeu”, disse o primeiro-ministro britânico David Cameron. “É inaceitável que a Rússia use a força para alterar fronteiras, tendo por base um referendo fantoche, realizado sob a ameaça das armas russas”, declarou, citado pela BBC.

Terça-feira, os únicos países que tinham reconhecido o referendo da Crimeia eram o Cazaquistão, a Síria, Coreia do Norte, a Mongólia, e a Venezuela. O líder da República Sérvia da Bósnia Herzegovina, Milorad Dodik, que tem resistido fortemente a todos os esforços de um governo centralizador naquele país, também declarou reconhecer os resultados do referendo.

Para explicar o apoio de Dodik, Paddy Ashdown, um político britânico que foi o Alto Representante Internacional para a Bósnia Herzegovina entre 2002 e 2006, disse à Reuters que a Rússia tem encorajado os sentimentos separatistas neste país que continua a ser fortemente apoiado pelo Ocidente desde o fim da guerra de 1992-95. “Alguns políticos bósnios estão a jogar a carta de Moscovo ou a carta eslava, e esta é a mais perigosa de todas, para incentivar políticas separatistas”, disse Ashdown, num seminário da NATO sobre o Sudeste da Europa na capital bósnia, Sarajevo. “Esperam que o referendo ilegal na Crimeia torne mais provável a realização de um referendo aqui na Bósnia. E a Rússia não está a fazer nada para os desencorajar – muito pelo contrário”, afirmou.

A Rússia invoca o que se passou nas guerras dos Balcãs nos anos 1990 de forma irónica. O caso da independência do Kosovo em relação à Sérvia – que não reconhece – é usado por Moscovo para justificar o seu apoio à declaração de independência da Crimeia para logo a seguir pedir a entrada na Federação Russa. “Não se pode chamar à mesma coisa preto hoje e branco amanhã”, afirmou Putin no seu discurso, criticando o “excepcionalismo” ocidental, debaixo de uma tempestade de aplausos.  

Sanções para todos
Os países ocidentais reagiram com preocupação.  “A União Europeia não reconhece a anexação da Crimeira e Sebastopol pela Federação Russa” disse o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy,, num comunicado assinado em conjunto com Durão Barroso.

A Rússia fez a escolha do isolamento”, advertiu o ministro dos Negócios Estrangeiros britânicos, William Hague, que também falou de um G7 onde Moscovo não estaria representado. Anunciou também a suspensão de toda a cooperação militar bilateral entre o Reino Unido e a Rússia.

“Devemos preparar-nos para um novo tipo de relações entre a Rússia e o Ocidente nos próximos anos, diferente do que foi nos últimos 20 anos. Uma relação onde as instituições como o G8 funcionarão sem a Rússia, e em que se reduzirá a cooperação militar e as exportações de material militar”, avisou Hague. O caso da Crimeia foi uma “imensa provocação” de Moscovo” e existe um “risco grave de novas provocações noutros locais da Ucrânia”, considerou o ministro britânico, aludindo ao Leste do país, onde há uma maioria de população russófona.

Barack Obama convidou os dirigentes do G7 e da União Europeia a reunirem-se na próxima semana em Haia, na Holanda, à margem da cimeira de desarmamento nuclear, para considerarem novas respostas à integração da Crimeia na Federação Russa. De acordo com o ministro francês dos Negócios Estrangeiros, a Rússia foi suspensa do G8, o grupo dos oito países mais industrializados que inclui os Estados Unidos, a Alemanha, o Reino Unido, Canadá, França, Japão e Itália. A Rússia devia ser a anfitriã, em Junho, da próxima cimeira do G8 em Sochi.

 “As sanções até agora impostas à Rússia tanto pelos EUA como pela União Europeia foram ligeiras e centraram-se em políticos, na sua maioria sem interesses fora da Rússia – portanto não são eficazes. A prová-lo, esta quarta-feira, o Parlamento russo aprovou uma moção a pedir a Obama e à UE que alarguem as sanções aprovadas a todos os deputados russos – e não apenas a algum políticos vistos como “ideólogos e arquitectos fundamentais” da política face à Ucrânia.