Inês Zuber será a número dois da lista da CDU às europeias

Apresentação formal marcada para domingo, dia 23.

A actual eurodeputada Inês Zuber, que substituiu Ilda Figueiredo no Parlamento Europeu em Janeiro de 2012, será a número dois da lista da CDU às europeias liderada por João Ferreira, e Miguel Viegas ocupará a terceira posição.

A CDU – Coligação Democrática Unitária anunciou esta segunda-feira que a candidatura será composta também pela actriz e activista Joana Manuel e pelo advogado João Luís Madeira Lopes, mas não foi indicada a sua posição na lista. A apresentação formal dos candidatos da CDU está marcada para o próximo domingo, dia 23, em Lisboa.

A coligação é composta pelo PCP, Partido Ecologista Os Verdes e Intervenção Democrática (ID), e tradicionalmente o quarto lugar é atribuído a um candidato indicado pelos Verdes – em 2009 foi Francisco Madeira Lopes, que era também deputado na Assembleia da República. A CDU tem actualmente dois deputados no Parlamento Europeu.

Inês Zuber, de 34 anos, é socióloga, e no Parlamento Europeu é vice-presidente da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais e coordenadora do GUE/NGL – Grupo da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde na Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros. Em 2009 figurava em oitavo lugar na lista da CDU e acabou por ser a escolhida para substituir Ilda Figueiredo que deixou o Parlamento Europeu aos 62 anos, numa lógica de "renovação de quadros", uma política comum nos comunistas.

Miguel Viegas, o terceiro da lista, é doutorado em Economia e professor universitário no Departamento de Economia e Gestão Industrial da Universidade de Aveiro, sendo a sua especialidade a macroeconomia e a política orçamental. Também assume funções de dirigente do Sindicato dos Professores da Região Centro, afecto à Fenprof (ligada à CGTP).

Joana Manuel, actriz e cantora, foi uma das activistas das manifestações de 15 de Setembro de 2012, 2 de Março e 26 de Outubro de 2013. Aos 70 anos, João Luís Madeira Lopes, advogado, é vice-presidente da comissão directiva da Associação Intervenção Democrática e foi dinamizador de acções de oposição ao antigo regime como os congressos de Aveiro de 1969 e 1973.