Inflação na zona euro caiu para 0,7% em Fevereiro

Portugal foi um dos países com taxas negativas. Preços dos combustíveis, telecomunicações e óleo de aquecimento caíram em Fevereiro.

A inflação prossegue a tendência de queda na Zona Euro e União Europeia
Foto
A inflação prossegue a tendência de queda na Zona Euro e União Europeia Nuno Ferreira Santos

A inflação na zona euro caiu para 0,7% em Fevereiro, revelou o gabinete estatístico da União Europeia (UE) nesta segunda-feira. Em Janeiro, a taxa de inflação tinha sido de 0,8%.

Em Fevereiro, a inflação homóloga caiu 0,1% em Portugal e na Eslováquia, 0,2% na Croácia, 0,9% na Grécia, 1,3% no Chipre e 2,1% na Bulgária. As taxas mais elevadas registaram-se em Malta e na Finlândia, ambas de 1,6%, e Áustria, de 1,5%.

Os maiores impactos de descida nos preços da zona euro vieram dos combustíveis para transporte (menos 0,30 pontos percentuais), telecomunicações (menos 0,10 pontos percentuais) e óleo de aquecimento (menos 0,07 pontos percentuais).Em contrapartida, verificaram-se aumentos no tabaco (mais 0,08 pontos percentuais), restaurantes, cafés e electricidade (mais 0,06 pontos percentuais).

Os números do Eurostat apontam para uma nova queda nos preços em Portugal, que em Janeiro registou uma taxa de inflação de 0,1%, depois dos 0,2% de Dezembro do ano passado. Esta evolução reforça o risco de que Portugal possa vir a cair numa situação de deflação, em que são adiadas as decisões de consumo e investimento e a economia entra num longo período de estagnação ou recessão.

Os dados divulgados na semana passada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) representam um regresso da taxa de inflação para valores negativos, algo que já tinha acontecido em Outubro e Novembro do ano passado.

Este é um risco que Portugal partilha com outros países periféricos da zona euro, como Grécia e Chipre, mas o Banco Central Europeu (BCE) tem defendido que a colocação das taxas de juro perto de zero bastará para evitar pressões deflacionistas na zona euro.

No conjunto da União Europeia, a taxa de inflação homóloga foi de 0,8% em Fevereiro, abaixo dos 0,9% de Janeiro. A taxa de inflação mensal foi de 0,3% na UE e na zona euro. Face ao primeiro mês do ano, a inflação homóloga caiu em dezassete Estados-membros, manteve-se estável em três e aumentou noutros sete.

O BCE, que tem como objectivo manter a inflação abaixo, mas próxima, de 2%, considera que o risco de deflação na zona euro é limitado. Na última reunião de política monetária, a 6 de Março, o conselho de governadores da instituição deixou as taxas de juro de referência inalteradas, colocando para já de parte tomar uma posição mais agressiva contra o risco de deflação.

Martin van Vliet, economist do banco ING, acredita que a descida da inflação que se verificou em Fevereiro “não deverá ser suficiente” para o BCE avançar com novas medidas de política monetária para inverter esta tendência.