Repor salários e pensões significaria “reabrir um problema”, diz Passos

Passos acena ao PS com compromisso orçamental “mais concreto” e acusa grupo do manifesto pela reestruturação da dívida de reunir quem anteviu uma “espiral recessiva”.

Passos Coelho participa no aniversário da fábrica da Figueira da Foz
Foto
Passos defende um “compromisso político alargado para os próximos cinco anos” Daniel Rocha

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, prometeu nesta quarta-feira convidar o secretário-geral do PS para conversações antes de o Governo apresentar o Documento de Estratégia Orçamental (DEO) e desafiou António José Seguro a propor medidas concretas que representem “limites quantitativos à despesa”.

A consolidação orçamental “não termina em Maio de 2014”, insistiu o primeiro-ministro, afastando uma reposição dos salários dos funcionários públicos e das pensões pagas pela Caixa Geral de Aposentações. Se assim não fosse, isso significaria “reabrir um problema” orçamental, defendeu Passos Coelho na conferência Portugal Pós-Troika, organizada pelo Jornal de Negócios em associação com a Rádio Renascença num hotel em Lisboa.

“Não podemos repor automaticamente os rendimentos salariais que as pessoas auferiam no início da crise”, assumiu, considerando como a “única estratégia possível” indexar a reposição de salários e pensões à retoma e ao desempenho económico. E mostrou-se convicto de que os portugueses estão dispostos a sacrifícios, “desde que sejam condição para um futuro melhor”.

Passos reconhece ser “verdade” que as medidas aplicadas pelo Governo de cortes nas pensões e salários foram “apresentadas como transitórias”, mas insistiu que continuam a sê-lo, porque “transitório não é o que dura um ano”, mas o que é necessário “enquanto a disciplina financeira o justificar”.

As medidas que Passos diz garantirem a disciplina orçamental para além da actual legislatura, que termina em 2015, serão apresentadas no DEO. Voltando a apelar a um consenso com o PS, Passos lembrou que os socialistas subscreveram o tratado orçamental e defendeu que Seguro deve ser concreto a assumir que medidas devem ser tomadas para se cumprirem os pressupostos do tratado, que impõe limites ao défice e à dívida pública. “Mas o tratado orçamental não se cumpre sozinho” e é preciso um “compromisso mais concreto”, um “compromisso político alargado para os próximos cinco anos”, defendeu. Para Passos, apesar de o PS “concordar com o princípio geral” do tratado orçamental, “não tem concordado com a estratégia de redução do défice orçamental”.

Como o Documento de Estratégia Orçamental “deve compreender a estratégia que será conduzida pelo menos até 2017”, Passos desafiou Seguro a apresentar medidas concretas, garantindo que o Governo tem mostrado abertura para passar ao PS a informação necessária.

O primeiro-ministro prometeu sentar-se à mesa com o secretário-geral do PS. E disse esperar fazê-lo assim que, “até ao final deste mês”, o Governo disponha de “elementos concretos”, nomeadamente informação estatística do Banco de Portugal e do Instituto Nacional de Estatística. “Eu convidarei o secretário-geral do Partido Socialista para fazer esse debate e essa conversação assim que estejam disponíveis todos os elementos concretos”, prometeu.

Mais tarde, na mesma conferência, seria a presidente do Conselho das Finanças Públicas, Teodora Cardoso, a pedir um entendimento para “além do Documento de Estratégia Orçamental”. “Na situação de Portugal, com o rácio de dívida que o país tem, a necessidade de [garantir] um saldo primário existe” e essa meta deve ser acordada entre PSD, CDS-PP e PS, defendeu a ex-administradora do Banco de Portugal.

Primeiro-ministro: reestruturação é um “masoquismo”
Na mesma conferência, Passos voltou a reagir à posição tomada por mais de 70 personalidades num manifesto conhecido na terça-feira em defesa da reestruturação da dívida pública portuguesa. Quando foi questionado se Portugal tem capacidade para crescer sem aliviar o peso da dívida e sobre a inevitabilidade de uma reestruturação da dívida, como a defendida no manifesto, Passos insistiu que uma reestruturação “está totalmente fora de questão”. “Nem pensar”, afirmou.

Passos mostrou-se espantado por “gente tão bem informada” tomar uma posição nesse sentido, para a seguir acrescentar: “O assunto está tão fora de agenda que tenho dificuldade em explicá-lo.” E, sem referir nomes que subscreveram o texto, classificou o grupo do manifesto como “os mesmos que falavam numa espiral recessiva”, arrancando de uma parte da plateia da conferência uma salva de palmas.

Para o primeiro-ministro, o campo de soluções proposto – entre elas está o prolongamento dos prazos dos empréstimos, algo que o Eurogrupo aprovou no ano passado para Portugal e a Irlanda – não deve ser levado a sério. “É masoquismo” pôr esta discussão “em cima da mesa” nesta altura, afirmou ainda.

Entre as personalidades que subscreveram o documento estão economistas e personalidades com posições políticas muito diferentes, dos ex-ministros das Finanças António Bagão Félix e Manuela Ferreira Leite ao ex-líder do Bloco de Esquerda Francisco Louçã, passando pelo líder da CIP, António Saraiva, o líder da CCP, João Vieira Lopes, o ex-secretário-geral da CGTP Carvalho da Silva, o ex-governador do Banco de Portugal José Silva Lopes ou o economista José Reis. Na lista estão ainda dois consultores do Presidente da República — Vítor Martins e Armando Sevinate Pinto.

Questionado directamente se Portugal beneficiaria de uma nova extensão dos prazos de pagamento dos empréstimos, Passos começou por responder: “Não sei se é necessário, confesso.” E lançou duas questões: “Mas nós estamos como a Grécia?” “Se já nos deram mais tempo para pagar, estamos a falar de melhores condições do que aquelas que já tivemos?” Passos procurou, aliás, durante toda a conferência, isolar Portugal da Grécia e associar a situação portuguesa ao caminho seguido pela Irlanda durante a aplicação do programa de resgate internacional. Foi nesse contexto que se referiu indirectamente à extensão, em sete anos, dos prazos de reembolso dos empréstimos, decidida em Abril do ano passado para Portugal e para a Irlanda.

Em defesa da posição do primeiro-ministro vieram, também nesta quarta-feira, Brian Hayes, secretário de Estado das Finanças da Irlanda, e Poul Thomsen, vice-presidente do departamento europeu do FMI e o primeiro representante daquela instituição na missão da troika em Portugal.

Da mesma forma que o governante irlandês defendeu que um país não deve pedir um processo de reestruturação da dívida quando está a tentar regressar ao financiamento de mercado, também o economista do FMI considerou que esta não é a altura para renegociar a dívida.

Em Estrasburgo, Durão Barroso não quis reagir ao manifesto, mas nem por isso a Comissão Europeia deixou de tomar posição. Se Barroso garantiu não ter lido o documento, o porta-voz do comissário para os Assuntos Económicos, Simon O'Connor, considerou em Bruxelas não ser “o momento para especular sobre uma reestruturação”, algo que, disse, “está completamente fora dos planos”. Segundo a Lusa, o porta-voz da Comissão rejeitou ainda que o executivo comunitário esteja a “preparar um esquema de reestruturação” e considerou que a dívida portuguesa é sustentável.