Putin diz que uso da força na Ucrânia será “legítimo”

Passagem a intervenção armada será “um meio extremo”, mas Moscovo garante ter direito “a tomar todas as medidas necessárias” para proteger cidadãos na Ucrânia.

Foto
Putin afirmou que uso de força será medida extrema Alexei Nikolskiy/Reuters

A Rússia poderá utilizar a força na Ucrânia “para proteger os cidadãos ucranianos e russos”, afirmou nesta terça-feira o Presidente Vladimir Putin, durante uma conferência de imprensa em Moscovo.

Apesar de considerar a possibilidade de uso de força militar “um meio extremo”, Moscovo sente-se “no direito de utilizar todos os meios para defender” os cidadãos ucranianos e russos étnicos. Essa eventualidade será sempre “legítima”, garante Putin.

“Como sabem, o Presidente legítimo pediu à Rússia para utilizar a força militar para proteger os cidadãos ucranianos e russos”, afirmou Putin, numa referência a uma carta de Viktor Ianukovich, em que o Presidente deposto apelava a uma intervenção russa para repor a lei e a ordem na Ucrânia.

Putin não afastou a possibilidade de deslocar as suas forças armadas para outras regiões da Ucrânia, nomeadamente no Sul e no Leste do país. As pessoas “estão receosas por causa das ilegalidades e, se encontrarmos essas ilegalidades nas regiões do Leste e as pessoas pedirem a nossa assistência, então reservamo-nos a tomar todas as medidas necessárias para proteger esses cidadãos”, afirmou.

O objectivo da presença russa no território, diz Putin, “é dar às pessoas o poder para decidir o seu destino, seja em que região for”. “Não queremos intervir, mas acreditamos que todos os ucranianos devem ter os mesmos direitos para moldar o futuro do seu país.”

Mas, mesmo uma eventual utilização da força, não será, para Putin, o início de uma guerra. “Não vamos para a guerra com as pessoas da Ucrânia”, assegura. “Se tomarmos essa decisão, será para proteger as pessoas da Ucrânia: como pode um exército disparar contra famílias?”, questionou.

Putin quis também deixar um recado aos países que acenaram com sanções, como os EUA e a União Europeia. “No mundo moderno e interdependente, é claro que os danos são causados [pelas sanções], mas os danos serão mútuos”, avisou o Presidente russo. “Os nossos parceiros estão a apoiar autoridades ilegítimas. Achamos que as nossas acções são bem fundamentadas e qualquer acção contra a Rússia é contraproducente”, acrescentou.

Os grupos armados que têm patrulhado a Crimeia são apresentados por Putin como “forças de autodefesa”, que não têm qualquer ligação ao Exército russo, apesar de os uniformes apresentarem semelhanças. “O espaço pós-soviético está cheio de uniformes desse género, eram pessoas da Crimeia.”

Putin não hesitou em afirmar que Ianukovich não tem futuro político, apesar de ser o Presidente legítimo. A Rússia acolheu-o apenas por “razões humanitárias”: “Iriam matá-lo lá.”

O Presidente russo revelou ainda que a dívida de gás da Ucrânia à empresa estatal russa Gazprom pode ascender a 2 mil milhões de dólares, caso a factura de Fevereiro não seja paga. “Se eles não receberem o dinheiro a tempo dos parceiros ucranianos, então terão de agir de acordo com o seu próprio programa (…) Não está relacionado com os eventos políticos”, garantiu Putin.

Entretanto, a Rússia concordou em participar numa reunião com os países membros da NATO na quarta-feira, revelou a ministra italiana dos Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini. A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) vai enviar uma equipa de observadores de direitos humanos para a Ucrânia, anunciou o secretárigo-geral, Lamberto Zannier.