Siemens abre novo centro de operações em Portugal e cria 150 empregos

Empresa espera ultrapassar os mil postos de trabalho em Portugal nos próximos dois anos.

Foto
Calos Melo Ribeira, administrador delegado da Siemens Portugal.

Em declarações à Lusa, o director financeiro e membro da comissão executiva, Miguel Guerreiro, sublinhou que a empresa "ganhou mais este centro" que "resulta do esforço de uma década", depois da abertura do primeiro em 2005, e que vai reforçar a posição portuguesa "como plataforma de tecnologias de informação".

Numa primeira fase, até ao fim de 2014, serão contratados 150 profissionais. No final do ano, será tomada a decisão sobre a contratação de mais 300, a concretizar no próximo ano (segunda fase), sendo as áreas mais procuradas as da engenharia eléctrica e electrónica, electrotécnica, computação, sistemas informáticos, telecomunicações, entre outras.

"Temos dezenas de vagas e estamos em fase de recrutamento acelerado. Já foram contratados dezenas de profissionais para começar as operações em Abril", disse Miguel Guerreiro, adiantando que o centro vai funcionar em Carnaxide, nas instalações da Siemens. O novo centro está vocacionado para a área do corporate automation e vai desenvolver softwares estratégicos para a Siemens, que serão utilizadas nos 196 países onde a multinacional alemã está presente.

Esta será a 13.ª unidade de exportação da empresa em Portugal, sendo que actualmente cerca de 40% dos colaboradores (cerca de 700) da Siemens Portugal já estão dedicados a estes centros de competências.
"Esperamos conseguir ultrapassar a barreira dos 1000 colaboradores [dos centros] nos próximos dois anos a exportar serviços de engenharia made in Portugal", disse Miguel Guerreiro.

Na última década, os centros de competências da Siemens a funcionar em Portugal geraram mais de 400 milhões de euros de receitas, actuando nas áreas de energia, infra-estruturas, saúde e serviços partilhados e fornecendo serviços dentro do universo Siemens para mais de 40 países nos cinco continentes.

Em comunicado, o administrador delegado, Carlos Melo Ribeiro, destaca a localização do país, as relações privilegiadas com os países de língua portuguesa, a qualidade das instituições de ensino nacionais, afirmando que estes factores "fazem do país uma verdadeira plataforma de negócios" e têm sido "críticos" para o sucesso da Siemens Portugal na captação de 13 centros de competências mundiais em menos de uma década.

Esta nova aposta da empresa, que está presente em Portugal há mais de 100 anos, surge após uma recente reestruturação do grupo Siemens, em que a casa mãe Siemens AG identificou Portugal como um dos 30 países líderes mundiais do grupo, ou seja, que integra um conjunto de países responsável por 85% da facturação da Siemens a nível global.