Deputados do PSD querem duplicação do peso do mar no PIB e reforço no Governo

Foto
Miguel Manso

Três deputados sociais-democratas levam ao Congresso do PSD uma moção que defende o reforço da economia do mar na orgânica do Governo para que se consiga duplicar a contribuição deste setor para o Produto Interno Bruto (PIB) até 2020.

O presidente do PSD/Faro, Cristóvão Norte, é o primeiro subscritor da moção "Mar de esperança", que será discutida no XXXV Congresso Nacional do PSD, que decorre entre sexta-feira e domingo, em Lisboa. O social-democrata refere que um dos objectivos da proposta é que o peso do mar no PIB seja, em 2020, superior a 5%, relembrando que o sector tem hoje no PIB um peso de cerca de 3%, empregando 100.000 portugueses.

"Defendemos um modelo competitivo e alicerçado em bens transaccionáveis, condição necessária para que se recupere a economia do mar como instrumento para aproveitar a sustentabilidade dos nossos recursos endógenos", sublinhou. Como exemplos, o deputado apontou o turismo náutico e de cruzeiros, a biotecnologia e aquacultura - sectores que podem cativar novos investidores -, as energias renováveis e o transporte marítimo.

Observando que já têm sido dados passos significativos na economia do mar, Cristóvão Norte considera, contudo, que as potencialidades do sector não estão ainda suficientemente exploradas e acredita que o país pode vir a estar na vanguarda. "As transformações ocorridas em Portugal e o progresso gerado no mar não determinaram a reafirmação de Portugal como uma nação marítima de referência a nível global. Sobretudo não foi conseguido o relançamento de uma nova e próspera economia do mar, como queremos que aconteça", lê-se na moção.

Além de Cristóvão Norte, a moção é ainda subscrita pelos deputados Bruno Coimbra, de Aveiro, e Cláudia Monteiro de Aguiar, eleita pelo círculo da Madeira. A Lei de Bases de Ordenamento e Gestão do Espaço Marítimo foi aprovada na passada sexta-feira no Parlamento.