Nova girafa ameaçada na Dinamarca tem proposta da Chechénia

Um segundo jardim zoológico afirmou que poderá abater uma girafa por causa da regulação sobre a reprodução animal. Líder checheno está disponível para receber o animal.

A morte de uma girafa saudável motivou vários protestos
Foto
A morte de uma girafa saudável motivou vários protestos AFP

Há um novo jardim zoológico dinamarquês que está a ponderar abater uma girafa, segundo a BBC. Em causa estão os regulamentos do programa de reprodução.

Depois dos protestos causados pela morte de uma girafa no Jardim Zoológico de Copenhaga na semana passada, é agora o Parque Zoológico da Jutlândia que anuncia que pode dar o mesmo destino a uma girafa, também chamada Marius.

A instituição afirma que Marius, de sete anos, é de uma espécie híbrida, ou seja, é resultado de um cruzamento entre sub-espécies diferentes. Neste momento, a girafa partilha o espaço com um espécime puro mais novo, que é meio-irmão do animal morto em Copenhaga.

O zoo está à espera de receber uma fêmea para acasalar com a girafa pura e será nessa altura que Marius terá ou de ser transferido ou morto.

“De momento, não há problema. O Marius é uma boa companhia para o Elmer e eles são uma bela atracção para os nossos visitantes”, explicou o zoólogo Jasper Moehring, citado pela BBC.

“Mas o problema será quando recebermos a fêmea. Os dois machos vão lutar, o que pode terminar na morte de um deles”, acrescenta o responsável.

Assim que for anunciada a chegada da girafa fêmea, o zoo vai dar prioridade à transferência de Marius para outra instituição. No entanto, o processo não pode colidir com o ecossistema genético regulado das girafas, o que pode implicar o seu abate, segundo Moehring.

"Em muitos sítios onde não se faz isto, os animais acabam por viver em más condições e também não são autorizados a reproduzir. Não achamos que isso seja bom", afirmou à CBS Jani Poulsen, funcionária do zoo.

A possibilidade de uma nova girafa poder ser morta por um jardim zoológico já levou a um convite inesperado para receber Marius. Ramzan Kadirov, líder da República da Chechénia, mostrou-se disponível para receber a girafa ameaçada.

“Por razões humanitária, estou aberto a receber Marius. Podemos garantir-lhe boas condições e cuidados com a sua saúde”, afirmou Kadirov através do Instagram. “Esperamos que esta proposta encontre uma resposta positiva da administração do zoo”, acrescentou.

A decisão de abater uma girafa no Jardim Zoológico de Copenhaga motivou protestos em todo o mundo e levou ao envio de uma petição assinada por mais de 27 mil pessoas. Os responsáveis do zoo chegaram mesmo a receber ameaças de morte pelo destino dado a Marius.