Machete sugere que Portugal votará contra adesão da Guiné Equatorial à CPLP

Ouvido na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros, ministro considerou que a avaliação da candidatura do país governado há décadas por Teodoro Obiang é "claramente negativa", mas depois disse que Portugal não se arroga “detentor de um direito de veto pelo absoluto”.

Foto
Machete defende que CPLP tenha mais atenção aos aspectos económicos MIGUEL MANSO

Ouvido na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, o ministro de Estado foi desafiado pelo deputado do BE, Pedro Filipe Soares a confirmar que Portugal votará contra a adesão à CPLP do país governado há décadas por Teodoro Obiang: “Pode confirmar? Queria ter a certeza de que ouvi bem” Mas aí Rui Machete já respondeu que a adesão da Guiné-Equatorial, país que já tem o estatuto de observador na CPLP, será uma decisão colectiva e que Portugal não se arroga “detentor de um direito de veto pelo absoluto”.

A questão foi introduzida na sessão pelo socialista Pedro Silva Pereira, no mesmo dia em que a eurodeputada do PS Ana Gomes pediu à União Europeia que impedisse a Guiné-Equatorial de injectar 133,5 milhões no Banif – que muitos vêem como uma tentativa de comprar o ingresso na CPLP – e um dia depois de um grupo de investigadores e associações portuguesas terem entregado ao primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, uma carta aberta, pedindo a Díli para vetar a entrada na CPLP do estado africano que acusam de desrespeitar os princípios democráticos e os direitos humanos.

Pedro Silva Pereira perguntou ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros se considerava suficiente a moratória sobre a pena de morte do regime de Obiang para o adequar aos princípios da CPLP. Machete respondeu que a Guiné Equatorial não poderá concretizar de um dia para o outro a promessa de promover o ensino da língua portuguesa e que também precisará de tempo para ir mudando as características do seu regime. “Neste momento, está longe de obedecer aos parâmetros democráticos, todos sabemos isso”, disse o governante, para quem a moratória sobre a pena de é um ponto-chave”, na aproximação do país aos princípios da CPLP, “ mas não o único”.

A audição do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento também ficou marcada pela revelação, feita por Rui Machete, de que o Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT) será integrado na Universidade de Lisboa. O governante defendeu que "o lugar mais apropriado para um instituto de investigação é a universidade". Antes, Pedro Silva Pereira e a deputada do PCP Rita Rato tinham acusado o Governo de estar a"desmantelar", com deslocação de funcionários para o Instituto Camões e negociações de rescisões com outro pessoal, uma entidade que era um instrumento importante da política de cooperação. Rita Rato afirmou que o PCP já tinha alertado para este desfecho, quando, em sede de discussão do Orçamento de Estado se insurgira contra o corte de 40% das verbas atribuídas ao IICT.

O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Luís Campos Cunha, interveio para opor que estava a ser feito "um trabalho muito sério" à volta da integração do IICT na Universidade de Lisboa e que "a marca" do instituto será preservada. Pedro Silva Pereira retorquiu que o processo foi conduzido nas costas do próprio IICT, cujo conselho científico ainda esta semana se tinha queixado de falta de informação, e recordou que foi o mesmo Governo que agora declara que não faz sentido manter o IICT no Ministério dos Negócios Estrangeiros que tomou a iniciativa de o retirar do Ministérios da Ciência. "Sugiro que alguém do Ministério dos Negócios Estranegeiros vá amanhã ao IICT, que deve estar em polvorosa", atirou.

Carla Cruz, do PCP, perguntou ao ministro o que tinha feito na sequência das notícias que davam conta da existência de "uma célula" da agência de segurança norte-americana NSA em Portugal. Machete respondeu que o assunto era da responsabilidade da presidência do Conselho de Ministros, que já se pronunciara sobre, ele, mas Pedro Filipe Soares, em nome do BE, insistiu em saber se Machete abordara o assunto da existência de "um pólo de escutas na embaixada dos EUA" em Lisboa, nos encontros que manteve com o secretário de estado norte-americano, John Kerry.

"Deve saber mais do que eu. Até agora não tenho provas dessa actuação", respondeu Machete.

O referendo na Suíça sobre a política de imigração que compromete os acordos de livre circulação de pessoas celebrado por este país com a União Europeia foi outro assunto em destaque na audiência, com os deputados da oposição a acusarem o Governo de ter sido pouco vigoroso na condenação dos resultados da consulta popular e com os parlamentares da maioria PSD/CDS a elogiarem, justamente, o facto de o ministro prometer permanecer atento à situação.