Protecção Civil registou 400 quedas de árvores durante o dia

Entre as 9h e as 19h registaram-se 641 ocorrências em todo o país devido a mau tempo.

Foto
Costa da Caparica registou incidentes relacionados com a agitação marítima Daniel Rocha

A Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC) registou 641 ocorrências relacionadas com o mau tempo entre as 9h e as 19h deste domingo, 400 das quais relacionadas com quedas de árvores. Os distritos de Lisboa (128 ocorrências), Coimbra (100) e Setúbal (81) foram os mais afectados.

Às 18h02 uma árvore de grande porte caiu sobre a linha ferroviária da Beira Alta, entre Mortágua e Santa Comba Dão, no distrito de Viseu, obrigando ao corte do tráfico ferroviário naquela via. A queda da cobertura e de uma parede lateral da Escola Primária de Fetais, em Loures, não provocou vítimas, porque como era domingo o estabelecimento estava vazio. Estes são os dois incidentes destacados pelo adjunto de operações Marco Martins, da ANPC. “A maioria das ocorrências foram quedas de árvores e inundações”, refere o responsável.

O mau tempo obrigou ao corte do trânsito ferroviário na Ponte 25 de Abril, que liga Lisboa e Almada, e a intensidade do vento também está a condicionar o tráfego rodoviário impedindo a travessia de motas e veículos com capotas de lona.

As quedas de água, as inundações e a neve levaram ao corte de 16 vias, entre as 9h e as 18h em quatro distritos do país. O distrito de Santarém foi o mais afectado com oito estradas cortadas e uma ponte com o trânsito interrompido, devido a inundações que deixaram as vias submersas. Na Serra da Estrela foram cortados vários troços das duas estradas nacionais (EN 338 e 339) que permitem o acesso ao maciço central e no distrito de Aveiro as inundações levaram ao corte de cinco vias.

Ao início da tarde, a ANPC destacava as cheias do rio Mondego, no distrito de Coimbra, pequenas inundações em Lisboa e alguns incidentes relacionados com a agitação marítima na Costa da Caparica, Setúbal, como as principais ocorrências até às 14h.

A partir das 15h, o nível de alerta subiu do amarelo para o laranja, o quarto de uma escala de cinco, activado sempre que são previstas “situações de perigo, com condição para a ocorrência de fenómenos invulgares que podem causar danos a pessoas e bens”. A prontidão dos meios irá manter-se neste nível até às 8h de segunda-feira.

As principais preocupações da Protecção Civil relacionam-se com a forte agitação marítima que pode atingir os 11 metros, a forte precipitação e o vento muito forte que pode atingir rajadas de 130 quilómetros por hora. A ANPC recomenda aos cidadãos que permaneçam em casa e evitem deslocações desnecessárias. 

Sugerir correcção