O verdadeiro chorinho brasileiro

Marcelo Evelin encarna várias personas. Estamos perante uma convergência muito bem conseguida, num corpo único, da representação da identidade nacional e da reminiscência da identidade pessoal.

Fotogaleria
"Ai Ai Ai" é uma peça seccionada, com personas diversas, caricaturais ou autobiográficas Silvana Torrinha
Fotogaleria
Silvana Torrinha
Fotogaleria
Silvana Torrinha

"Ai Ai Ai", de Marcelo Evelin Porto, Fundação de Serralves, auditório, 25 de Janeiro, às 21h30. Sala cheia. 4 estrelas

Para o encerramento da exposição de Cildo Meireles, no Museu de Serralves, Marcelo Evelin veio apresentar um solo de intérprete-criador, gerado numa fase introspectiva nos anos 1990 e que nos traz a questão amplamente teorizada de que a identidade surge de um diálogo com “o outro”.
 
Vem da antropologia tradicional o hábito de classificar “o outro”, acentuando os clichés emergentes de uma cultura desconhecida, e reflectindo uma visão ocidentalizada e colonialista da diversidade, sobretudo sobre os países de África e da América Latina. A dança contemporânea, que se desenvolveu na Europa como plataforma internacional, não foi imune a este legado. Cabe então aos próprios sujeitos rever a sua posição nesses papéis. Esta é uma das valências distintivas deste espectáculo: não só porque o faz, mas como o faz.
 
Ai Ai Ai é uma peça seccionada, com personas diversas, caricaturais ou autobiográficas, que se definem pelos adereços envergados e despidos. Há também uma riqueza sonora de alusões - musicais como o chorinho brasileiro - ou concretas como o mar, os aplausos e vozes antigas e familiares. O artista carrega emocionalmente a junção destes elementos com uma forte presença de gestos e movimentos equilibrados entre o óbvio e o ambíguo. Fá-lo com variações do semblante (carregado, atrevido, contente) e pela repetição exaustiva, que clarifica e autentifica a sua intenção. 
 
Estamos perante uma convergência muito bem conseguida, num corpo único, da representação da identidade nacional e da reminiscência da identidade pessoal. São construções performativas que fazem compreender a ironia e, por conseguinte, a crítica. O espectador é convocado, pelo olhar e gestos bem precisos do performer, a interpretar.  
Na aparição inicial de drag queen decadente sobrepõe-se o ícone da ave rara presa em exposição; é uma forma visualização da pessoa enclausurada no estereótipo criado com os dados que estão à superfície. Depois, de fato preto e sapatos brancos, aparece o malandro, de mãos a abanar, um predador em busca de "se virar", que lava as mãos dos seus crimes; é uma forma de ver a pessoa rejeitar e sacudir o estereótipo associado à sua cultura. Com uma manta branca e fofa, o homem aconchega-se e esconde-se; é uma forma de sentir o passado como conforto, em que o abrigo está numa memória.
 
A sequência de transformações decorre a olho nu; as luzes brancas a toda a potência sobre o palco instalam a premissa de que isto é para desvelar. O que aparece, sob as euforias fugazes do sambar e da juvenilidade, é a resistência, através da história individual que se contrapõe ao padrão. Desconstrói-se assim a insígnia da alegria brasileira e, aquando da grande ovação da celebridade (uma cena do espectáculo), a verdadeira persona já não aguenta compactuar com a face pública e desfaz-se num choro. 
 
Não há resolução em apoteose, nem de festa nem de tragédia, mas sim uma sinceridade poética. A postura redentora de braços abertos deixa penetrar o que realmente importa: uma grande saudade. Evelin virando esse abraço para a projecção - onde corre um filme das ruas cheias de crianças da urbe pobre –, à qual se encosta com carinho, é um fim muito bonito. 
A pertinência de juntar Evelin e Meireles neste contexto, além da conexão da nacionalidade, advém de ambos fazerem uma prática artística crítica, mas também poética. Ver isto só é possível, claro, num museu que reconhece nas expressões performativas a sua qualidade enquanto arte, tal como têm as expressões plásticas, e portanto ousa associá-las.