Pedro Passos Coelho reeleito presidente do PSD com 88% dos votos

Primeiro-ministro avança para o terceiro mandato numas eleições em que concorreu sozinho.

Passos Coelho a votar nas eleições deste sábado
Foto
Passos Coelho a votar nas eleições deste sábado Rui Gaudêncio

Pedro Passos Coelho foi reeleito neste sábado à noite presidente do PSD com 88% dos votos dos militantes sociais-democratas nas eleições internas a que se apresentou como único candidato para um terceiro mandato de dois anos.

Os resultados foram anunciados pelo presidente do Conselho de Jurisdição Nacional do partido, Calvão e Silva, cerca da meia-noite, e numa altura em que faltavam ainda 32 secções por apurar.

Num universo de 46.430 potenciais eleitores, Passos Coelho obteve um total de 15.524 votos dos 17.662 sociais-democratas que votaram, tendo-se registado ainda 1492 votos em branco e 646 nulos. Nas anteriores eleições directas, disputadas a 3 de Março de 2012 e a que Passos Coelho concorreu também sem adversários, o também primeiro-ministro obteve 17.499 votos, ganhando então pela larga margem de 95,5%.

Sem “calendário para repor salários”
Falando na sede do partido em Lisboa já depois de conhecidos os resultados (ainda incompletos) do escrutínio, Passos Coelho não destoou do discurso das últimas semanas do Governo e avisou que o país não voltará aos "níveis de riqueza ilusória" de “antes da crise em 2011”, apesar de garantir que muitos dos cortes dos últimos anos serão "transitórios".

"Não enfrentaremos o futuro pensando que todos os cortes que tivemos de fazer permanecerão. Muitos deles são transitórios, na medida em que dependerão agora da forma como a nossa economia vier a recuperar. Mas não temos condições nesta altura para fixar uma data precisa no nosso calendário para repor seja pensões, seja salários", disse.

"A nossa recuperação de rendimento dependerá da riqueza que conseguiremos criar", afirmou, manifestando expectativa numa "recuperação gradual". E avisou que "qualquer político que queira fazer campanha eleitoral prometendo regressar a níveis de rendimento anteriores não estará a fazer mais do que demagogia fácil".

Nas eleições internas deste sábado os sociais-democratas elegeram também 690 delegados ao XXXV Congresso, que está marcado para os próximos dias 21, 22 e 23 de Fevereiro em Lisboa. com Lusa