Sampaio rejeita ser candidato às europeias

"Há coisas para fazer em certas idades; agora é [tempo] para pensar, escrever”, disse o anterior chefe de Estado

Foto

Na passada semana, o PÚBLICO escreveu que a direcção do PS estava a pesar diferentes nomes para apresentar como cabeça de lista às eleições europeias. Antes do ex-comissário europeu, António Vitorino, e a presidente do PS, Maria de Belém, surgia o nome do ex-Presidente da República. Mas Sampaio referiu-se a um convite, dizendo que se tratava de um “boato” e de um “completo absurdo”. “Não é com esta idade que se volta à política activa”, afirmou o antigo chefe de Estado, admitindo, no entanto, não ser a primeira vez que isto acontece.

“Já aconteceu noutras alturas, mas eu sempre disse que não. Não estava [nos planos regressar à política] como não está”, esclareceu Jorge Sampaio.

“Nunca fui contactado para coisa nenhuma, e se tivesse sido teria respondido rotundamente que não. Há coisas para fazer em certas idades; agora é [tempo] para pensar, escrever”, descreveu.

Ainda que possa não ter sido convidado ou sondado, o nome de Jorge Sampaio é visto com muito bons olhos em alguns sectores do PS como uma "boa solução" para o partido compor uma lista forte às europeias para que o resultado ajude a consolidar a posição socialista obtida nas autárquicas e sirva de alavanca para as legislativas, em meados do próximo ano. Não seria, aliás, inédito no PS ter um candidato a eurodeputado com dois mandatos de Presidente da República no currículo - isso já aconteceu com Mário Soares.