PJ admite crime de rapto no caso do bebé encontrado com vida na Madeira

Pediatra considera “intrigante e muito difícil” Daniel, de 18 meses, ter sobrevivido num lugar tão frio e húmido, anteriormente “batido” por guardas florestais.

DR
Foto
DR

O coordenador da Polícia Judiciária na Madeira admitiu nesta quarta-feira que a criança de 18 meses que foi hoje encontrada viva após ter estado desaparecida durante três dias terá sido raptada e deixada no local por alguém que as autoridades não conseguiram ainda localizar.

É esse o cenário mais provável para que apontam as últimas diligências efectuadas, nomeadamente os interrogatórios conduzidos durante a manhã e início da tarde desta quarta-feira, disse Eduardo Nunes à agência Lusa.

"As últimas diligências, os últimos acontecimentos podem levar a pensar que estamos perante um crime de rapto", afirmou o responsável policial na região. Eduardo Nunes acrescentou que "continuam em aberto todas as possibilidades. A PJ vai continuar a investigar enquanto não estiver resolvido este caso".

O menino desapareceu no domingo de casa dos padrinhos no Estreito da Calheta, ilha na Madeira, e foi encontrado com vida na manhã desta quarta-feira, numa levada a cerca de três quilómetros da residência de onde desapareceu. Foi primeiro levado para o Centro de Saúde da Calheta e depois transferido para o Hospital do Funchal, sem sinais de subnutrição e aparentando bom estado de saúde.

“Ao nível de avaliação clínica, o Daniel está bem”, disse o médico José Luís Nunes, director dos Serviços de Pediatria do Hospital Central do Funchal. “Bebeu com avidez dois copos de leite”, adiantou o clínico, que acha intrigante uma criança ter sobrevivido num lugar tão frio e húmido três noites.

O menino chegou à unidade hospitalar “clinicamente estável, ligeiramente frio, mas consciente e com um choro vigoroso”, não apresentando hematomas nem indícios de violência, adiantou aquele pediatra. Durante a noite deverá permanecer naquela unidade de saúde para mais observações, adiantou José Luís Nunes, numa conferência de imprensa em que também participou o presidente do Serviço Regional de Saúde, Miguel Ferreira.

Papel da PJ questionado

Encontrada por dois levadeiros, funcionários responsáveis pela distribuição da água da rega, a criança foi imediatamente encaminhada para o Centro de Saúde da Calheta, apesar de aparentar bom estado de saúde. Depois de observada pelo médico de serviço, foi transportada, na companhia da mãe, Lídia Freitas, para o Hospital Central do Funchal, para ser submetida a exames complementares de diagnóstico. “Estava deitado sobre a feiteira, junto à levada, a chorar”, conta João Teixeira.

O pai, Carlos Sousa, foi uma das pessoas ouvidas já nesta quarta-feira pelos inspectores da Polícia Judiciária, que, apesar de ter anunciado publicamente o fim das buscas, prosseguiu as operações na Calheta.

O presidente do Serviço Regional de Protecção Civil e Bombeiros da Madeira (SRPC) recusou qualquer responsabilidade na decisão de interromper as buscas da criança. “A dado momento, a Polícia Judiciária assumiu a coordenação da operação e a informação de suspender as buscas surgiu da PJ”, disse Luís Néri à Lusa.

Reagindo à declaração de Neri, o director adjunto da Polícia Judiciária, Pedro Carmo, desmente categoricamente que tenha ordenado a suspensão das operações de busca da criança, frisando que estas não são competência da PJ. Tal decisão, adiantou, partiu das autoridades de socorro e salvamento. E reiterou que a sua corporação nunca interrompeu as investigações.

“Uma criança não sobreviveria nestas condições”

A criança esteve desaparecida desde o princípio da tarde de domingo no Estreito da Calheta, no sítio do Lombo dos Reis Acima, na Madeira. Foi encontrada antes das 8h da manhã desta quarta-feira, ou seja, cerca de 70 horas depois do seu desaparecimento, com as mesmas roupas, mas molhadas, e aparentemente sem sinais de hipotermia. Estava junto ao curso de água de rega (levada), num percurso pedonal muito frequentado por turistas.

A zona do Atalhinho onde Daniel foi encontrado, na Levada Nova, tinha sido percorrida na segunda-feira por Manuel Rodrigues, na companhia de um amigo. “Fomos numa acção humanitária na tentativa de encontrar o menino, mas nada vimos”, conta ao PÚBLICO aquele professor da Escola Secundária da Calheta, adiantando que recorreram a equipamentos e roupas adequadas devido às baixas temperaturas registadas naquele local, na ordem dos 5º Celsius, e nos últimos dias sujeito a períodos de chuva.

“Não tenho conhecimentos científicos, mas penso eu uma criança não sobreviveria nestas condições, a cerca de 700 metros de altitude”, comentou.

A cerca de três quilómetros do local do desaparecimento, a zona do Atalhinho situa-se nos limites do concelho da Calheta. As autoridades estão já a tentar deslindar como foi possível o menino de ano e meio afastar-se tanto da casa dos padrinhos, ainda por cima numa zona de acentuado declive.

O desaparecimento do menino, natural da vila da Calheta, mas que se encontrava em casa de familiares residentes no Estreito da Calheta, no mesmo concelho, desencadeou uma operação de busca que envolveu os Bombeiros Voluntários da Calheta, a PSP e Polícia Judiciária. Esteve ainda no terreno, no domingo à noite, uma equipa cinotécnica da GNR.

As buscas prosseguiram na segunda-feira e a PJ inquiriu os pais, que disseram suspeitar que alguém tinha levado a criança, embora tenham dito não ter visto "ninguém estranho" nas redondezas.