Açores vão ter mais dois centros de interpretação ambiental em 2014

Mais de 91 mil pessoas visitaram em 2013 os centros espalhados pelas várias ilhas.

Foto
Número de visitantes dos centros de interpretação dos Açores aumentou 41,5% em 2013 Carlos Lopes/Arquivo

Mais dois centros de interpretação ambiental abrirão este ano nos Açores, alargando uma rede que atraiu 91.537 visitantes de Janeiro a Outubro de 2013 e que é um dos maiores pólos de divulgação turística do arquipélago.

“O Centro de Interpretação Ambiental da Serra de Santa Bárbara, na Terceira, deverá abrir ao público em Março, enquanto que o da Pedreira do Campo, em Santa Maria, abre logo que esteja concluída a intervenção adicional, o que contamos ser até ao Verão”, adiantou à Lusa o director regional do Ambiente, Hernâni Jorge. Está em curso a obra do centro de interpretação da Cultura do Ananás, em São Miguel, que embora "um pouco atrasada" deverá ficar concluída "durante este ano".

No caso do centro de interpretação da Pedreira do Campo, em Santa Maria, vai ser feita "uma pequena intervenção adicional proposta pela Universidade dos Açores para disponibilizar uma área maior de fósseis" para os visitantes, "que será feita nos próximos meses".

Além da abertura daqueles centros de interpretação, o Governo Regional tem também previsto iniciar ainda este ano a obra da Casa dos Fósseis em Santa Maria e desenvolver o projecto da Casa dos Vulcões no Pico, que "há-de ser iniciada em 2015".

17 centros na região
“Com estas intervenções ficará concluída a rede de centros de interpretação, que passará a ter 17 centros na gestão directa da região”, disse o director regional do Ambiente, frisando a importância dos centros de interpretação ambiental na promoção e animação turística do arquipélago.

Entre Janeiro e Outubro de 2013 passaram pelos centros de interpretação 91.537 visitantes, um aumento de 41,5% relativamente ao mesmo período de 2012, ou seja, mais 26.800 visitantes, explicou o director regional do Ambiente.

Os centros de interpretação constitutem actualmente "um dos principais pólos de divulgação e animação turística da região como esses números evidenciam", disse, indicando que "os centros de interpretação do Vulcão dos Capelinhos, no Faial, da Montanha do Pico e o de Monitorização das Furnas, em São Miguel, têm números de visitantes extremamente relevantes".

O Centro do Vulcão dos Capelinhos e a Casa da Montanha do Pico receberam entre Janeiro e Outubro de 2013 cerca de 21.000 visitantes cada, sendo os mais visitados.

Estas infraestruturas evidenciam e expõem a temática relacionando-a com o próprio espaço e com a área, sendo que alguns são de mera visitação do espaço natural. "O centro do Vulcão dos Capelinhos é um autêntico museu que evidencia toda a realidade em torno da erupção e do que representou para a ilha do Faial e para os Açores", exemplificou o director regional do Ambiente, frisando que se tratam de espaços que "atraem muitos turistas" pela sua particularidade.