Entrevista

A indústria beneficia dos diplomados das universidades. Por isso, também deve pagar

O financiamento do ensino superior não é da competência exclusiva do Estado. É também do sector privado, empresas, indústria, para onde vão trabalhar os diplomados, diz Devon Jensen. Em Portugal, diz, é bom que a sociedade interiorize este “novo paradigma”

Foto
Devon Jensen esteve em Lisboa para participar no Forum Mundial das Universidades Miguel Manso

A universidade tem de reagir ao que a rodeia, com mais rapidez do que hoje: “Tenho ou não a responsabilidade ética, como instituição, de dizer que não é justo estar a formar mil professores se sei que só 500 vão conseguir ter trabalho?” A universidade tem também de dialogar mais com as empresas. “Os CEO’s com quem eu falei querem pessoas que tenham formação em Filosofia”, porque elas são, por vezes, os melhores líderes. Já as universidades acham que os CEO’s só se interessam pelas competências técnicas dos diplomados. Quem o diz é Devon Jensen, professor assistente da Universidade da Georgia do Sul, nos Estados Unidos.

Jensen tem estudado, em particular, a relação entre as universidades, os governos e a indústria. Canadiano de nacionalidade, fez pesquisa em França, Índia, Nepal, Taiwan, Hong Kong, Austrália e Estados Unidos. Esteve esta semana no Fórum Mundial das Universidades, que este ano aconteceu na Universidade de Lisboa .
 

Neste fórum mundial apresentou uma comunicação com o título: Is Higher Education Merely a Servant of the Economy? [É o ensino superior um mero lacaio da economia?] Qual é a resposta?
Tenho que dizer que não. E há cada vez mais instituições em todo o mundo a começar a olhar para os seus programas, nas diferentes áreas, economia, liderança, medicina, e a questionarem-se: ‘Estamos a oferecer, nos nossos currículos, uma componente que permita às pessoas colocarem-se questões éticas?’

Ética, valores escasseiam nas nossas economias?
É evidente que algo está a falhar. E é por isso que muitas instituições estão a tentar trazer essas questões para os currículos, para as aprendizagens dos alunos: se vou ser economista e corto fundos numa determinada área, que impacto é que isso vai ter nos mais pobres, nos mais desfavorecidos? Tenho uma responsabilidade ética sobre a comunidade que é afectada pelas minhas decisões? Não é apenas uma questão de ética profissional. É levar as pessoas a questionarem-se como indivíduos. Que valores são importantes para mim? Quais são as fronteiras que estabeleço — faço isto e a partir de que ponto é que já não faço? Qual o impacto das minhas crenças?

Isso tem a ver com as crises a que temos assistido?
É evidente que quando vivemos momentos de declínio (económico, de recursos, o que for) as pessoas começam a questionar-se. O momento que Portugal e a União Europeia estão a atravessar deve levar as instituições [de ensino] a dizer: ‘Temos um papel nisto, o que podemos fazer para ajudar os nossos países a seguir em frente e a evoluir para uma nova realidade?’ E para evoluir para uma nova realidade são precisas novas formas de pensamento, novos tipos de pessoas nos mercados.

Como é que um país deve definir em que áreas de ensino deve apostar? Ciências Económicas, Engenharia, novas tecnologias, que, pelo menos aparentemente, podem dar um contributo mais imediato ao desenvolvimento económico? E a Literatura, a Filosofia, as Artes...
Se nos prendermos demasiado aos output do ensino superior, se tivermos uma visão da universidade como se fosse um negócio, vamos esquecer aquela que é a verdadeira essência da universidade: um lugar de conhecimento, de ideias, onde a sociedade pode ser crítica e pode crescer. A maior parte das pessoas entra no ensino superior, na universidade, nos institutos técnicos, porque quer ter um trabalho. Portanto, claro, há logo essa ligação óbvia à economia.
Mas se a universidade tem a responsabilidade [de contribuir para] a prosperidade económica, também tem responsabilidade ao nível da prosperidade social, da prosperidade cultural dos países. Se esquecermos isso, perdemos o alcance do que as universidades podem fazer pelo seu país. Precisamos da Artes, da Filosofia, do Direito, da Medicina, porque é tudo isso que faz uma comunidade vibrante.

O facto de em Portugal haver uma elevada taxa de desemprego entre os diplomados, que tem subido mais do que na OCDE, pode revelar um desfasamento entre as áreas que estes diplomados escolheram e o mercado de trabalho? Exemplo: temos muitos professores desempregados...
Sim, estive recentemente no México, têm o mesmo problema. Haverá sempre, por várias razões, diplomados que não arranjam trabalho. Seja como for, levanta uma questão importante e, uma vez mais, é uma questão ética. Imagine que da minha universidade saem mil diplomados por ano numa determinada área, mil novos professores por ano, por exemplo, mas a economia só suporta 500. Tenho ou não a responsabilidade ética, como instituição, de dizer que não é justo estar a formar mil professores se sei que só 500 vão conseguir ter trabalho?

As universidades têm essa responsabilidade?
Nenhuma das universidades com as quais estive envolvido se colocou esse tipo de pergunta. Se o mercado não está a absorver tantos diplomados, devo baixar o número de alunos que aceito, em linha com as necessidades do mercado? Não tenho resposta, é uma discussão que está a iniciar-se.

Não tem resposta, mas tem opinião?
A minha opinião é que as universidades têm essa responsabilidade...

Mas recebem dinheiro do Estado em função do número de alunos.
Pois, e quanto mais alunos, mas dinheiro recebem. Há muitos países que estão a mudar as suas fórmulas de financiamento do ensino superior, valorizando mais a performance do que o número de alunos. Mas atenção: sim, temos a responsabilidade de ver se a pessoas que formamos vão ter trabalho, mas, ao mesmo tempo, não sabemos o que é que as pessoas vão escolher fazer com a formação que receberam. Eu formo-me para ser professor, mas posso não querer ser professor, porque a formação que recebi também me abre a porta a oportunidades noutras áreas que não o ensino. Em educação não podemos dizer simplesmente: ‘A previsão é que haja lugar para 500 no mercado por isso só vamos formar 500.’

É preciso um equilíbrio...
Há um estudo nos EUA que diz que 50% dos trabalhos que vão estar disponíveis daqui a dez anos, para os alunos que estão hoje no liceu, ainda não foram criados. Não sabemos o que vão ser. As universidades não podem ensinar para o que existe hoje, têm de ensinar para o que vai existir daqui a cinco, dez anos. Se as economias estão a mudar, isso tem de estar reflectido nos currículos, na forma como se ensina e nas oportunidades que se dão aos alunos para conceberem o que significa ser um trabalhador, por exemplo. As universidades têm este enorme desafio: responder às mudanças. E são muito lentas.

As europeias e as portuguesas são mais lentas do que as norte-americanas?
Sim.

E isso será uma das causas para as nossas crises?
É uma das causas — claro que há muitas causas, que as crises são complexas. Mas os países que se estão a sair bem, do ponto de vista económico, são aqueles que estão a saber ter uma boa comunicação [entre universidades e sector privado]. Fiz um estudo que me levou a entrevistar os CEO’s das companhias que mais contribuem para o financiamento das universidades no Canadá, com um milhão de dólares ou mais, e portanto, que têm uma relação estreita com as universidades. Depois, entrevistei os presidentes dessas universidades e os dirigentes governamentais. Perguntei a todos: qual é a missão da universidade? Os presidentes das universidades têm a percepção de que as empresas querem diplomados que tenham as competências, que conheçam a tecnologia. Já quando falamos com os CEO’s das maiores companhias, eles dizem que querem pessoas que têm aquela formação geral mais tradicional, que associamos à universidade — capacidade de fazer perguntas, de pensar, de ser crítico, de trabalhar em equipa... E quanto aos governos — dizem que o seu trabalho é ser intermediários, mas que não devem ter uma posição.
Ou seja, um parte do princípio que o outro quer uma coisa e o outro assume que...

Não há comunicação.
Voltando atrás, por causa da formação artística, da Filosofia... os CEO’s com quem eu falei querem pessoas que tenham formação em Filosofia, porque sabem pensar e, por vezes, são esses diplomados que revelam ser os melhores líderes. E querem pessoas que saibam de artes, porque precisam de pessoas que possam compreender a cultura dos países para onde vão trabalhar — o que é importante nas grandes companhias internacionais.

Mas a ideia que temos quando olhamos para os EUA é que há uma relação estreita entre sector privado e universidades...
É uma relação baseada no dinheiro. Não é uma relação filosófica. As questões que temos que colocar são: que diplomados queremos ter? Que pessoas queremos que sejam? E essas questões devem ser respondidas pelos dois lados [universidade e sector privado] e a partir daí devemos construir algo. Esse é o próximo nível se queremos que o ensino superior tenha impacto na economia.

Em Portugal, estamos a cortar nos orçamentos da educação. Qual é a sua recomendação às instituições de ensino superior?
Durante muitos anos achámos que era responsabilidade dos governos financiar a educação. A educação é parte da riqueza de um país. Por isso, viramo-nos para os governos e dizemos: ‘Vocês têm a responsabilidade de nos financiar, porque a educação é central numa sociedade, é parte do que somos como povo.’ Mas se os governos dizem: ‘Sim, temos responsabilidade, mas já não temos 100% da responsabilidade e economicamente já não é possível, por isso vamos cortar algum dinheiro’... Isto obriga as universidades a serem criativas. Se têm os recursos de que precisam e sofrem um corte de 5%, têm de ser criativas. E estes cortes podem, na verdade, ajudar as universidades a ser mais eficazes. Vão cortar com desperdícios, com duplicações.

Mas há um ponto em que os cortes começam a afectar a qualidade, porque são demasiado significativos. Se eu tiver 500 dólares por mês para gastar no supermercado e me tirarem 50, é possível ser criativo. Mas se eu passar a ter apenas 100 por mês, simplesmente vou passar fome. Quando as instituições começam a passar fome — as universidades são obrigadas a ir bater à porta dos privados. E há uma mudança de paradigma sobre como a sociedade vê a sua relação com o ensino superior.

Qual é?
Até agora, a sociedade dizia: ‘O governo financia.’ Agora, nos EUA e Canadá vemos a questão começar a ser colocada de outra forma: ‘Quem são aqueles que mais vão beneficiar dos diplomados que saem das universidades? Eles têm a responsabilidade de devolver algum do investimento que é feito nas pessoas.’ Ou seja, a indústria e as empresas têm a responsabilidade de participar no financiamento da educação porque eles vão beneficiar dela, tal como o país beneficia, tal com as pessoas beneficiam porque são mais felizes — é esta mudança de paradigma que temos de começar a ver. E essa mudança tem de acontecer em Portugal. Estamos a começar a ver acontecer na Norte da América.

Por que razão diz que não devem existir muitas instituições de ensino num país?
No ensino não superior, o princípio da educação para todos é essencial. No ensino superior, para se entrar deve-se ter mérito. Deve ser preciso ter as notas de entrada necessárias, fazer exames... Queremos estudantes de qualidade. Nos EUA baixou-se tanto a fasquia de exigência no acesso que as universidades estão a ter de investir em programas para ensinar a alunos do 1.º ano o que significa estudar, como se tira notas numa aula, coisas básicas...

Em Portugal, só 17% da população dos 25 aos 64 anos frequentou o ensino superior. A média da OCDE é 32%. Acha que o país deve preocupar-se com a possibilidade de ter instituições de ensino a mais?
Esse valor é baixo... São precisas infra-estruturas para receber mais pessoas. E há maneiras mais baratas, universidades virtuais, que fazem aumentar o acesso. Mas também há que perguntar se os cidadãos de Portugal dão valor e estão a encorajar os seus filhos a tirar um curso superior. Vocês precisam de mais pessoas com ensino superior. Não é só com o ensino universitário. Estou a falar também de cursos de dois anos... Mais pessoas com ensino superior significa mais pessoas a questionar as políticas do país, mais pessoas envolvidas no debate cívico, mais pessoas a levarem conhecimento e novas ideias e tecnologia para o mundo dos negócios e da indústria... As verdadeiras mudanças nas sociedades acontecem se houver uma população com um bom nível de educação.