Portas critica “excessos” da troika e rejeita demissão como “capricho”

No primeiro discurso do congresso do CDS, o líder do partido justificou a demissão em Julho como "último recurso".

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Portas à chegada ao congresso
Fotogaleria
Portas à chegada ao congresso Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Como era esperado Paulo Portas pouco adiantou ao que já tinha revelado sobre os motivos da sua demissão do Governo em Julho: Recusou a ideia de ter sido um “enfado ou um capricho” e justificou com a necessidade de virar o Governo para um novo ciclo económico. No primeiro discurso do XXV Congresso do CDS, este sábado, o líder do CDS criticou os “excessos da troika”.

Assumindo que houve “momentos muito difíceis” desde 2011 no Governo de coligação CDS/PSD, Paulo Portas deixou algumas palavras – poucas – sobre a demissão que protagonizou em Julho. “Deixo de lado aqueles que acharam que era um capricho ou um enfado, não conhecem o meu sentido de missão, mas o meu partido conhece-o. O partido deve apenas saber que actuei em último recurso, se nada fosse feito a coligação poderia deteriorar-se e isso era pior para todos”, afirmou o vice-primeiro-ministro.

Foi também com o argumento de que era necessário um equilíbrio entre o económico e o financeiro (depois da saída do ministro Vítor Gaspar) que Paulo Portas justificou a decisão de sair de ministro dos Negócios Estrangeiros. “O que tem de ser tem muita força, a crise foi superada e a meu ver o Governo está mais forte, concluiu.

Definindo o ano de 2014 como aquele que será de “uma situação melhor”, Paulo Portas apontou o fim do programa de resgate, a 17 de Maio, como a prioridade do país e do partido. “Há vida para além da troika, há vida com crescimento, em 2014 recuperaremos a autonomia, retomaremos a economia, em 2014 cessa o protectorado, embora não desapareçam os constrangimentos, em 2014 há um moderado lugar para a esperança, 2014 será na verdade será o primeiro ano em que se pode falar de Portugal depois da troika e da economia depois da recessão”, afirmou.

O vice-primeiro-ministro reafirmou o seu empenho em sair do programa em Maio. Apesar de admitir que nem todos os problemas desaparecem, Paulo Portas salientou que o Governo ganha a liberdade de escolher os meios para atingir os objectivos orçamentais. “O credor impõe o objectivo e tem um poder excessivo para alcançar essas políticas”, afirmou, desejando que “não mais suceda um co-Governo com os credores”.

Falando da recuperação económica – “os sinais ténues da economia” – Paulo Portas repetiu os indicadores económicos já enumerados na sua moção e sobre o desemprego afirmou: “A verdade é que lentamente, mais lentamente do que queríamos, Portugal começou a reduzir o desemprego”.

O líder do CDS reiterou as críticas que tem feito – aliás tal como Passos Coelho – ao secretário-geral do PS. “Não é possível dizer de manhã que Portugal tem de sair do programa de assistência financeira em Maio, e á irlandesa, e no mesmo dia, à tarde que o querer que o Tribunal Constitucional deite abaixo todas as medidas para que Portugal termine o programa em Maio. É querer tudo e o contrário de tudo”, apontou.

As últimas palavras foram dirigidas directamente aos congressistas para não contribuirá para “nenhuma especulação para o seu futuro político”. “Nisso sou muito prosaico. Sou de ficar, não sou de abandonar”, disse, depois de elogiar os ministros do CDS no Governo. Na mesa da comissão política, à frente de um cenário em tons de azul e branco, Portas está sentado entre Assunção Cristas (ministra da Agricultura), e António Pires de Lima.