Carlos Sousa surpreende concorrência e é o primeiro líder do Dakar

Piloto de Almada sofreu, mas venceu primeira etapa da prova sul-americana. Paulo Gonçalves foi o melhor português nas duas rodas, com o quinto melhor tempo do dia de estreia.

Foto
Carlos Sousa à partida para a primeira etapa do Dakar Juan Mabromata/AFP

A participar no seu 15.º Dakar, o piloto de Almada, ao serviço da modesta equipa chinesa da Great Wall, impôs-se nos 180 kilómetros cronometrados que abriram a competição, entre Rosario e San Luis, na Argentina. No último lugar do pódio acabou por ficar um dos favoritos à vitória final, Nasser Al-Attiyah, a 47 segundos do português. Pior esteve o francês Stephane Peterhansel, que defende o título, que encerrou o dia na sexta posição, a 4m21s do vencedor.

“Conseguimos um bom resultado, mas foi muito duro. Não tínhamos ar condicionado no carro e bloquearam todas as entradas de ventilação. Por altura do quilómetro 50, avariaram-se as saídas de ar do turbo, de forma que o ar do motor nos chegava directamente ao habitáculo. Faziam uns 70 graus ali dentro e tínhamos dificuldades inclusivamente para respirar!”, contou Carlos Sousa no final ao site oficial da prova: Creio que pilotei tão depressa porque queria acabar o quanto antes com o martírio, mas também porque tinha confiança de que podíamos alcançar o nosso objectivo.”

Nas duas rodas, os portugueses em prova têm mais ambições, mas estiveram discretos neste primeiro dia. Numa etapa ganha pelo espanhol Joan Barreda, Paulo Gonçalves, actual campeão mundial de todo-o-terreno, precisou de mais 2m25s para encerrar a especial, garantindo a quinta posição. O espanhol Marc Coma e o francês Cyril Despres, que têm dominado esta prova nos últimos anos e voltam a partir como grandes candidatos ao título de 2014, encerraram o pódio.

“O Dakar ainda está a começar. Esta primeira etapa foi de pequena dimensão, mas já exigiu elevado nível de concentração. Acordámos muito cedo, ainda estou em fase de adaptação, mas consegui estar muito concentrado e num bom nível ao longo de todo o dia, não perdendo muito tempo para os meus principais adversários que partiram nos lugares da frente”, resumiu o piloto de Esposende, citado pela sua assessoria de imprensa.

“A partir de amanhã [esta segunda-feira] começa o verdadeiro Dakar, etapa longa, difícil, muito rápida e onde vamos ter as primeiras dunas. Vou continuar ao ataque para me manter em luta pelos lugares do pódio”, prometeu o piloto de 34 anos, natural de Esposende.

Rúben Faria, segundo classificado na edição de 2013, não teve um arranque brilhante e não foi além do 12.º tempo, perdendo 5m11s para o vencedor. O terceiro português acabou por ser Mário Patrão, em 21.º, mas a grande desilusão foi a prestação de Hélder Rodrigues, que já conquistou dois terceiros lugares nesta mítica prova. O cabeça de cartaz da Honda foi 22.º, a 8m58s de Barreda, seu companheiro de equipa.
 
 
 

Sugerir correcção
Comentar