Os portugueses estão a rir-se menos vezes. E com menos intensidade

Investigador analisou 400 mil fotografias publicadas na imprensa ao longo de dez anos. Resultados foram tornados públicos esta quinta-feira.

Rir menos é mau para a saúde, diz Freitas Magalhães, director do Laboratório de Expressão Facial da Emoção da Faculdade de Ciências da Saúde, da Universidade Fernando Pessoa
Foto
Rir menos é mau para a saúde, diz Freitas Magalhães, director do Laboratório de Expressão Facial da Emoção da Faculdade de Ciências da Saúde, da Universidade Fernando Pessoa Rui Gaudêncio

Os portugueses sorriem muito pouco, segundo um estudo revelado nesta quinta-feira no Porto que aponta para uma "drástica e preocupante diminuição na frequência e intensidade do sorriso”, sobretudo nos últimos dois anos.

No estudo Uma década de sorriso em Portugal analisam-se quase 400 mil fotografias publicadas na imprensa, entre 2003 e o final de 2013. "Os resultados da análise ao sorriso dos portugueses durante o segundo semestre de 2013, revelam uma expressiva diminuição na frequência e intensidade, a maior desde o início do estudo em 2003”, diz Freitas Magalhães, director do Laboratório de Expressão Facial da Emoção da Faculdade de Ciências da Saúde, da Universidade Fernando Pessoa.

Para o autor, este facto é "muitíssimo preocupante em termos de saúde dos portugueses”.

De acordo com os resultados do trabalho, as mulheres continuam a sorrir mais do que os homens, apesar de o "registo descendente acentuadíssimo" em relação a 2012 – independentemente da idade.

Já os homens apresentaram mais o sorriso fechado a partir dos 60 anos e as crianças são as que continuam a apresentar mais (e frequentemente) o sorriso largo.

"No universo das fotografias analisadas, verificou-se, também, que a expressão facial de emoções negativas é mais frequente e intensa do que a de emoções positivas", adianta o autor, salientando que "este padrão se acentuou expressivamente durante o segundo semestre de 2013".

Freitas Magalhães indicou ainda que "ao longo dos 10 anos de estudo ficou comprovado que um dos moderadores da frequência e intensidade da exibição do sorriso é o contexto social, o que se verificou no caso português, pois a situação económico-social potenciou a inibição da expressão, sendo que o género e a idade são os outros dois moderadores".

Segundo o autor, "o sorriso é uma reacção neuropsicofisiológica que se desenvolve em situações que envolvam o bem-estar e a felicidade; quando tal não se verifica, por motivos externos, é inibido e recalcado". O autor alerta para as consequências na saúde desta realidade, sublinhando que a inibição do sorriso "potencia sentimentos, emoções e condutas negativas levando a um quadro psicopatológico preocupante".

A análise de todos os dados recolhidos ao longo de uma década será apresentada no livro "Portugal Emocional - Uma Década de Sorriso em Portugal".

O Laboratório de Expressão Facial da Emoção iniciou hoje um novo estudo intitulado A Neuropsicofisiologia da Felicidade – Estudo Longitudinal com Portugueses, o qual irá prolongar-se também por uma década.