Lixo vai fazer parte da paisagem de Lisboa durante os próximos dias

Câmara diz que está canalizar os serviços mínimos para as zonas "prioritárias". A greve dos trabalhadores da limpeza urbana dura até 5 de Janeiro.

Fotogaleria
Rua da Escola de Medicina Veterinária Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rua Barata Salgueiro Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Avenida Almirante Reis Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rua da Palmira Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Avenida Almirante Reis Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Avenida Almirante Reis Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rua Pascoal de Melo Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Avenida Almirante Reis Rui Gaudêncio

Os turistas que escolherem Lisboa como destino para a passagem de ano vão encontrar a cidade um pouco diferente da que está retratada nos postais. As ruas da capital estão repletas de lixo espalhado pelo chão ou amontoado em sacos e caixotes, devido à greve dos trabalhadores da limpeza urbana, e nem as zonas mais turísticas como a Baixa escapam à imundice.

Os cantoneiros e os motoristas dos serviços de limpeza da Câmara de Lisboa estão em greve desde terça-feira e, apesar de a autarquia ter apelado aos lisboetas que guardassem o lixo deste Natal em casa, muitos ignoraram o pedido. Nas zonas residenciais não faltam caixotes a abarrotar de sacos à porta dos prédios, em torno das árvores ou simplesmente atirados ao chão pela força do vento que soprou nos últimos dois dias. Os sacos de lixo largados à mercê dos animais, nos passeios, nas esquinas ou encostados aos vidrões compõem um cenário pouco agradável à vista. E ao olfacto.

Em zonas turísticas como a Baixa pombalina não é diferente. Nesta quarta-feira à noite, as pessoas que parassem no Terreiro do Paço para ver o espectáculo do Circo de Luz e entrassem depois pela Rua Augusta encontravam um “pandemónio”, como lhe chama o presidente da Associação para a Dinamização da Baixa Pombalina, Manuel Lopes. À porta de várias agências bancárias, alguém empilhou caixotes e sacos, misturados com bocados de uma espécie de passadeira vermelha que cobria o passeio junto às lojas. O mesmo aconteceu à porta dos bancos instalados no Rossio.

“Ainda não tomámos nenhuma atitude porque ontem [quarta-feira] era dia de Natal. Agora vamos ver se os serviços mínimos dão ou não para atenuar o pandemónio que vai pelas ruas”, diz Manuel Lopes. “Senão, vamos ter de chamar à atenção a quem de direito, ou seja, à câmara”, avisa.

O Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa diz que a adesão à greve ao trabalho normal, que dura até às 5h deste sábado, tem uma adesão de 85%. Depois disso, os funcionários retomam o trabalho durante o dia. Mas o lixo não deverá ser recolhido tão cedo. É que a partir de sábado e até 5 de Janeiro começa a greve às horas extraordinárias. “Há falta de pessoal e grande parte da recolha de lixo é feita em horário extraordinário”, lembra Nuno Almeida, da direcção do sindicato. Junta-se a isso o facto de não haver recolha aos domingos e de haver tolerância no Ano Novo; mesmo com os trabalhadores ao serviço durante o dia, a limpeza das ruas deverá ser demorada.

O sindicato acredita que as zonas residenciais serão as mais afectadas. “De certeza que na Baixa, Belém e nos sítios mais turísticos a câmara vai tentar manter [a situação] o mais normal possível. Se mantêm a Baixa e as zonas turísticas limpas, nas zonas residenciais deve haver mais lixo por apanhar”, disse à Lusa o sindicalista Vítor Reis.

A Câmara de Lisboa informa que os serviços mínimos estão a ser dirigidos para as “zonas prioritárias”, como hospitais, mercados e também o centro histórico, "onde o acondicionamento de lixo em casa é mais difícil". Garante ainda, numa resposta por email, que procurará "dar resposta aos locais onde se detectam focos de insalubridade causados pela maior acumulação de lixo". E reforça o apelo: "Os serviços durante este período serão sempre insuficientes e não dispensam a colaboração dos lisboetas, que devem evitar colocar o lixo na rua, em especial em sacos."

Nas zonas da Baixa e Chiado "já está tudo limpo", disse ao PÚBLICO a assessora do presidente, Maria Rui, nesta quinta-feira às 16h.

Os trabalhadores contestam a “externalização de serviços e de atribuições” decorrente da transferência de competências da câmara para as 24 juntas de freguesia da cidade. “Ainda não se conhecem as necessidades das juntas de freguesia, mas sabe-se que a Câmara de Lisboa tem intenção de se livrar de 20% dos seus trabalhadores”, critica Nuno Almeida. “Não se pode brincar com o vínculo dos trabalhadores”, acrescenta.

A autarquia pretende transferir 1800 trabalhadores para as juntas, dos quais 870 são afectos aos serviços de higiene urbana. O sindicato ainda acredita que pode reverter o processo, uma vez que o assunto terá de ser votado na assembleia municipal.

Nesta quinta-feira, além dos trabalhadores da limpeza urbana, estão em greve todos os funcionários municipais, em protesto contra o processo de transferência de pessoal para as freguesias.