Os nove meses do Papa Francisco

Falar em Igreja é, para ele, falar numa Igreja que sabe acolher, que se deixa interrogar, que tem a inteligência do coração e luta pela justiça social. Pedimos a Frei Bento Domingues, teólogo dominicano e cronista do PÚBLICO, para fazer o balanço deste ainda curto pontificado que levou a revista Time a eleger o Papa Francisco como personalidade do ano.

Falar em Igreja é, para ele, falar numa Igreja que sabe acolher, que se deixa interrogar, que tem a inteligência do coração e luta pela justiça social. Pedimos a Frei Bento Domingues, teólogo dominicano e cronista do PÚBLICO, para fazer o balanço deste ainda curto pontificado que levou a revista Time a eleger o Papa Francisco como personalidade do ano.

No passado dia 11, a revista Time elegeu o Papa Francisco como a pessoa do ano 2013. É raro que um novo protagonista consiga tanta atenção no palco do mundo e em tão pouco tempo. Cativou milhões que tinham perdido a esperança na Igreja. Nancy Gibbs, directora da Time, sintetizou as razões substanciais da escolha feita: “Em nove meses, ele soube colocar-se no centro das discussões essenciais da nossa época: a riqueza e a pobreza, a equidade e a justiça, a transparência, a modernidade, a globalização, o papel da mulher, a natureza do casamento, as tentações do poder.”

Quando Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, aceitou ser Bispo de Roma, Papa da Igreja Católica Romana, não estava garantido o sucesso do caminho que escolheu. A renúncia de Bento XVI, mas querendo ficar por perto, era ambígua. Esteve muito tempo na Cúria, com imensas ocasiões para actuar e deixou apodrecer a situação até ao impossível. Ficar por perto, para quê?

O Papa Francisco sabia que a primeira coisa que lhe era pedida pela opinião pública era uma operação de limpeza da Cúria pontifícia. O mais urgente seria varrer a casa: pôr a andar os que não queriam ou já não podiam mudar e formar um governo novo. Tinha-se tornado insuportável, para qualquer católico decente, ver a insistência dos meios de comunicação em narrativas de tenebrosos escândalos financeiros da banca do Vaticano e as revoadas de padres e até de bispos acusados de pedofilia. Era evidente que as carradas de publicações moralistas, revestidas de pinceladas teológicas e de unção espiritualista, assinadas pelos Papas, tinham perdido qualquer encanto. As periódicas campanhas temáticas, distribuídas pelas dioceses, tinham esgotado a sua precária eficácia. As viagens dos Papas eram caras e entendidas como fuga às reformas de fundo, sempre adiadas. Que fazer então?

O Papa tomou algumas decisões, mas não caiu na tentação de governar por decretos. Era preciso mudar tudo, a começar por ele próprio e do modo mais rápido e simples. Foi o que fez logo na primeira saudação, à janela do Vaticano e nunca mais parou.

Nos meios conservadores, há muitas vozes contra as suas movimentações e declarações: este Papa está a estragar a Igreja e a minar a sua doutrina mais segura; é tão descontraído a falar das coisas mais sérias que não parece o supremo guardião das certezas, mas um semeador de dúvidas; não sendo economista, atreve-se a dizer que esta economia de exclusão e de desigualdade mata; atacou o capitalismo como uma nova tirania; os alertas contra a corrupção, dentro e fora do Vaticano, colocaram-no na mira das máfias.

"Vencidos do catolicismo"

Para tentar um balanço de nove meses de Papa, convém não perder de vista a História. A Igreja Católica Romana, mediante a ousadia inesperada e descontraída do velho Papa João XXIII, tinha começado uma grande revolução religiosa, no mundo contemporâneo. Ao convocar o Concílio Vaticano II, apontou um caminho que devolvia a palavra à Igreja, não identificada com a hierarquia, mas com o povo da graça de Deus, no qual, todos são sujeitos, em comunhão, na vida da Igreja.

Para as gerações mais novas, sejam leigos ou clérigos, a memória actuante desse acontecimento dos anos 60 do século passado (1962-1965) perdeu-se. Mesmo os que o acompanharam e seguiram com entusiasmo acabaram por ter a sensação de que tudo aquilo tinha sido um belo sonho sem futuro. Eram os “vencidos do catolicismo” do poema de Ruy Belo e dos comentários de João Bénard da Costa. Para os que consideraram o Vaticano II como um desastre para a Igreja, o importante era esquecer esse concílio.

Tanto entre os que se sentiram defraudados, como entre os que consideravam que o Concílio tinha sido uma má ideia, as reacções pró e contra não tiveram a mesma intensidade e as mesmas manifestações, em todos os grupos. No entanto, a mentalidade restauracionista do pós-Concílio tentou agir de forma global: nomear bispos conservadores para todo o lado, sobretudo para a América Latina, publicar um novo Direito Canónico e um Catecismo Católico que os equipasse para recorrer à doutrina, sã e segura, e às boas orientações pastorais.
Importante também era eliminar as correntes teológicas — da Europa Central, Estados Unidos, América Latina, Ásia e África — que pudessem questionar essa normalização. No terreno, ficou quase só a Teologia do cardeal Ratzinger e dos que a repetiam. Ele era o teólogo da Congregação para a Doutrina da Fé e, depois, o próprio Papa.

Enquanto tudo se passava no campo teológico e na administração eclesiástica, os ecos públicos desse mal-estar eram sempre limitados. Tudo mudou, quando os meios de comunicação começaram a encher-se de casos terríveis de pedofilia e da lavagem de dinheiro, como já referimos. Aí já não era possível alimentar hipocrisias.

Os que procuraram fazer esquecer o que o Vaticano II tinha de mais inovador e pensavam recuperar o prestígio da Igreja, mediante operações restauracionistas ou de movimentos de santidade privilegiada, ficaram sem qualquer estratégia. João Paulo II deixou-se imolar pelo sacrifício e Bento XVI chegou à conclusão de que não tinha saídas para nada. Entretanto, o cristianismo, em vários países da América Latina, enchia as Igrejas Pentecostais.

No dia 8 de Agosto, o Papa Francisco publicou um conjunto de novas regras sobre o combate à corrupção e à lavagem de dinheiro, que passou pela criação de uma Comissão de Segurança Financeira no Vaticano com a finalidade de coordenar as Autoridades competentes da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano em matéria de prevenção e de combate à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo e à proliferação de armas de destruição maciça. A Carta Apostólica foi publicada em forma de Motu Proprio, o que significa, nas regras do Vaticano, que é uma iniciativa pessoal do Papa. Os artigos acerca da finalidade da referida Comissão denunciam que os escândalos atribuídos ao Instituto para as Obras de Religião (IOR), mais conhecido como Banco do Vaticano, não eram criações dos meios de comunicação.

No passado dia 4 de Dezembro, prosseguiram os trabalhos da segunda série de reuniões do Conselho dos Cardeais, instituído pelo Papa Francisco a 30 de Setembro, para o coadjuvar no governo da Igreja universal e para estudar um projecto de revisão da constituição apostólica Pastor bonus sobre a Cúria romana. Declarou que o importante é uma Igreja mais misericordiosa, pobre e missionária.

"Esta economia mata"

Muitas vezes, decretos e comissões servem para adiar o inadiável. Este Papa começou por assumir e continua a incarnar aquilo que propõe aos outros membros da Igreja. Para ele, a Igreja não é a hierarquia. Esta é apenas um conjunto de serviços instituídos para escutar, animar e orientar as comunidades cristãs. Mas a hierarquia, antes de ensinar, tem de aprender. As comunidades cristãs têm de viver na transformação do mundo, a partir dos excluídos, dos pobres, de todas as periferias.

O Papa Francisco está, pela sua prática e pelas suas declarações, a ajudar os católicos, as outras igrejas, as outras religiões, os agnósticos e os ateus a olhar o mundo, não a partir dos multimilionários e dos movimentos da Bolsa, mas a partir dos frutos de miséria gerados pela idolatria do dinheiro, do lucro a qualquer preço.

Para pronunciar a muito glosada expressão, “esta economia mata”, não precisa de nenhum curso nas mais famosas faculdades de economia e gestão, católicas ou não. Basta ter os olhos abertos. Se ele não tomasse atitudes, não abordasse a questão do desemprego e da situação dos idosos e das crianças pobres, não fazia a ruptura com o mundo das estatísticas, o mundo dos números que abstraem das pessoas. Se fosse mais um fanático das redes e da Internet, teria apenas um contacto virtual com os pobres, sem cheiros e sem incómodos.

Escolheu as más companhias dos que certa doutrina da Igreja do passado, sem misericórdia, tinha classificado como pecadores ou, pelo menos, em situação irregular, impróprios para se aproximarem da comunhão sacramental. Atacou as obsessões do moralismo incapaz de escutar os homossexuais, as uniões de facto, os divorciados recasados.

Para ele, não vale tudo, mas o que não vale, de modo nenhum, é uma Igreja que não sabe acolher, não se deixa interrogar, uma Igreja sem a inteligência do coração e sem luta pela justiça social.

Algumas pessoas escandalizam-se com o lugar que ele dá às crianças e aos adolescentes “problemáticos”. A verdade é que deixou que uma criança de seis anos ocupasse a Sede Apostólica, que um bebé lhe tirasse o solidéu e já chegou a colocar este boné sagrado na cabeça de uma miúda.

Há dois mil anos, os apóstolos aborreciam-se ao verem as crianças seduzidas por Jesus e procuravam afastá-las. Agora, dizem que o Papa está a profanar as vestes sagradas. O Papa sabe que as crianças são, diariamente, vítimas de exploração e de maus-tratos, sobretudo, as crianças e os adolescentes que vivem na rua: 120 milhões no mundo inteiro e 30 milhões só em África.

Dir-se-á que, nestes nove meses, ainda não teve tempo para se dedicar às mulheres, as mais excluídas na orientação da Igreja, apesar de terem sido elas as enviadas pelo Ressuscitado para evangelizar os Apóstolos e de, por enquanto, ainda serem a grande maioria. Herdou um terreno minado pela Carta Apostólica, de João Paulo II, Ordinatio Sacerdotalis (22-05-1994).

As teólogas feministas e os movimentos de mulheres cristãs certamente (que) o vão
irão ajudar a superar esta dificuldade, que nem é das maiores.

Ter escolhido o caminho de Jesus Cristo, em pleno século XXI, faz correr riscos e as ameaças já começaram. Mas seguindo por esse caminho também poderá dizer: eu venci o mundanismo.