Ajustamento da economia portuguesa vai demorar mais dez a 15 anos, diz o FMI

Subir Lall, chefe de missão do FMI em Portugal, avisa em entrevista ao Financial Times que esforço de Portugal terá de continuar.

Foto
Subir Lall é o chefe de missão do FMI em Portugal Hugo Correia/Reuters

O processo de ajustamento da economia que o Fundo Monetário Internacional defende para a economia portuguesa vai demorar mais dez a 15 anos a ficar concluído e terá de ser realizado por iniciativa do próprio país, avisou esta quinta-feira o chefe de missão do FMI em Portugal.

Subir Lall, em entrevista publicada pelo Financial Times, afirma que "as distorções na economia acumularam-se ao longo de décadas" e que por isso "é irrealista esperar que pudessem ser resolvidas durante os três anos do programa de ajustamento ou que o processo de reforma pudesse ser imposto externamente".

Assim, a seis meses do final do actual programa da troika para Portugal, o responsável do FMI diz que "as transformações de que a economia precisa terão de continuar por mais dez a 15 anos e terão de ser realizadas internamente". Subir Lall deixou ainda uma mensagem para os partidos políticos relativamente ao que terá de ser feito quando a troika sair do país. "Mudar a forma como a economia responde e ultrapassar a inércia exige um esforço continuado que terá de ser feito, independentemente de qual o partido político que estiver no poder", disse.

No início do programa português, em Maio de 2011, o FMI e os outros elementos da troika estavam bastante mais optimistas em relação à velocidade como Portugal conseguiria transformar a sua economia e pô-la a crescer. Quando foi assinado o primeiro memorando de entendimento, a previsão de crescimento antecipada para 2014 era de 2,5%. Agora, passados dois anos e meio e sucessivas revisões em baixa das previsões, aquilo que se espera não é mais do que um crescimento de 0,6%.

Subir Lall não quis, nesta entrevista ao Financial Times, arriscar uma previsão em relação ao que Portugal irá fazer em Junho, quando ficar concluído o actual programa da troika. Disse que o melhor será esperar pelo início do próximo ano, a altura em que se espera que Portugal volte a realizar emissões de dívida pública no mercado. "Essa será uma boa altura para ver o que os investidores estão a dizer", afirma Lall.

Em relação à decisão do Tribunal Constitucional sobre a convergência de pensões – que terá de ser tomada até esta sexta-feira – o chefe de missão do FMI diz estar "muito confiante" que, em caso de chumbo, o Governo será capaz de encontrar alternativas que preencham o buraco orçamental. Ainda assim, diz que, "quando se tem de encontrar medidas alternativas, existe sempre o risco de que não sejam as melhores possíveis para promover o crescimento económico e o emprego".