Paulo Henriques abandona a Cultura: “Quando deixamos de acreditar não vale a pena esforçarmo-nos”

O historiador não se apresentou a concurso para a direcção do Museu do Chiado. São agora cinco os nomes que levarão a mudanças em instituições de topo do sector, num êxodo que a SEC não tem comentado.

Paulo Henriques diz que "não há perspectivas positivas" na Cultura
Foto
Paulo Henriques diz que "não há perspectivas positivas" na Cultura Daniel Rocha

Foi há um ano e meio que o conhecido historiador de arte e director de museus Paulo Henriques, de 56 anos, assumiu funções como responsável interino pelo Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea. Nessa altura, disse que estaria entre os candidatos a este cargo nos novos concursos obrigatórios na função pública. Não se candidatou. Em vez disso, pediu aposentação antecipada.

“Esforçamo-nos, mas quando deixamos de acreditar não vale a pena esforçarmo-nos”, disse ao PÚBLICO em breve conversa telefónica esta segunda-feira, pouco depois de a Direcção-Geral do Património Cultural ter feito saber, por comunicado, da escolha do até agora director do Museu do Neo-Realismo, David Santos, de 42 anos.

Depois de dirigir instituições como o Museu José Malhoa, o Museu Nacional do Azulejo, onde esteve 10 anos, e o Museu Nacional de Arte Antiga, o mais importante museu português, o historiador aponta as “grandes dificuldades” gerais do sector e, no caso concreto do Museu do Chiado, “a dependência absoluta dos eventuais mecenas”, devido à falta de apoio directo do Estado.

Na Cultura, refere, “não há [neste momento] perspectivas positivas”. Diz também que “a vida tem outros volantes”: “Fiz muito tempo de serviço [público], agora quero tirar partido desses outros volantes.”

Paulo Henriques junta-se assim a uma já pesada lista de nomes que levarão a mudanças em alguns dos mais importantes organismos e instituições culturais portuguesas. Tal como Paulo Henriques, Maria João Seixas, da Cinemateca Portuguesa, e Silvestre Lacerda, da Torre do Tombo, decidiram não se apresentar a concurso para continuar em funções e José Pedro Ribeiro demitiu-se do Instituto do Cinema e do Audiovisual. Já Samuel Rego não reunia condições para poder ir a concurso para continuar à frente da Direcção-Geral das Artes.

A Secretaria de Estado da Cultura não tem comentado estas sucessivas desistências no sector.  
 

Sugerir correcção