Goldman Sachs compra 4,998% dos CTT e Deutsche Bank 2,04%

Estas são as primeiras posições qualificadas conhecidas desde a OPV e, no caso do Deutsche Bank, que foi à venda directa de títulos dos CTT (antes da entrada em bolsa), representou um investimento de 17 milhões de euros.

Foto
Francisco de Lacerda foi reconduzido na presidência dos CTT Miguel Manso

Os CTT anunciaram nesta quarta-feira que o Deutsche Bank AG London, sucursal do Deutsche Bank AG, tem uma participação qualificada de 2,04% na empresa e que a norte-americana Goldman Sachs tem uma posição de 4,998%.

Em duas notas enviadas pelos CTT à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) nesta quarta-feira, a empresa liderada por Francisco Lacerda informa que foi notificado na terça-feira pelo Deutsche Bank London de uma operação de aquisição de capital realizada no dia 4 de Dezembro (na venda directa das acções dos Correios, um dia antes da entrada em bolsa).

Segundo a informação divulgada pelos CTT, o Deutsche Bank AG, instituição sediada em Frankfurt, Alemanha, tem um total de 3.063.798 títulos dos Correios de Portugal, dos quais 388.655 (ou 0,26% do capital) são detidos directamente e outros 2.675.143 (ou 1,78% do capital) são detidos indirectamente. A operação representou um investimento de 16,9 milhões de euros nos CTT, tendo em conta o preço de venda de 5,52 euros por acção fixado pelo Governo para a privatização da empresa.

Numa outra nota divulgada logo de seguida, os Correios informaram o mercado da aquisição de uma participação accionista indirecta do grupo Goldman Sachs (referentes a operações realizadas por diversas sociedades do grupo no dia 5 de Dezembro) de 7.496.479 milhões de títulos, ou 4,998% do capital e votos. Este investimento foi realizado no dia em que se começou a negociar em bolsa os títulos da empresa portuguesa.

Estas são as primeiras posições qualificadas nos CTT conhecidas desde a oferta pública de venda (OPV) que permitiu ao Estado o encaixe de cerca de 580 milhões de euros.

A maioria da procura de acções dos Correios destinadas a investidores institucionais (mais de 50% do capital) teve origem no estrangeiro.