Crónica de jogo

Quase nove anos depois, o Sporting volta a ser líder isolado na Liga

Montero voltou a ser decisivo em Barcelos, marcando os dois golos do triunfo (2-0) que deixa os “leões” com dois pontos de vantagem sobre os mais directos rivais.

Foto
Foto: Miguel Vidal/Reuters

O Sporting não precisa de assumir a candidatura ao título: já toda a gente percebeu que é preciso contar com ele na Liga deste ano. Os “leões” transformaram a deslocação difícil deste domingo, a Barcelos, num triunfo confortável (2-0), mercê do segundo “bis” consecutivo de Montero, e ficam, assim, isolados no primeiro lugar do campeonato pela primeira vez desde Janeiro de 2005.

O encontro tinha tudo para ser difícil. Os minhotos partiam para esta jornada no quarto lugar e ainda não tinham perdido no seu estádio. Estes eram dois factos bem presentes para os jogadores da casa, que entraram determinados a mandar no encontro. De resto, foi do Gil o primeiro remate com perigo: na sequência de um pontapé de canto, a bola sobrou para Luís Martins, que fez um disparo forte à entrada da área para Rui Patrício agarrar (12’).

O Sporting ia sabendo sair com rapidez para o ataque, aproveitando os desequilíbrios do adversário. A equipa de Leonardo Jardim atacava quase sempre pelas alas de modo a fazer a bola chegar a Montero. Dessa forma, chegou ao golo inaugural, aos 19’, num lance em que Capel não conseguiu definir bem na primeira oportunidade. Perante a passividade dos centrais do Gil, Montero ganhou a bola que andava sem dono na zona de finalização e desviou para golo.

A formação de Barcelos até chegava perto da baliza de Patrício com alguma facilidade, mas sem criar uma ocasião soberana de perigo. Os “leões” iam explorando o contra-ataque, mérito de André Martins, que andou quase sempre sem marcação e aproveitou para orquestrar da melhor forma o ataque do Sporting. Em duas ocasiões (31’ e 38’), os lisboetas podiam ter aumentado a contagem, ambas através da cabeça do “baixinho” André Martins, que rematou por cima.

No início da segunda parte (53’), foi Wilson Eduardo que teve nos pés o 2-0, mas rematou por cima quando surgiu isolado. A melhor oportunidade do Gil em todo o encontro aconteceu pouco depois (58’) num passe vertical de César Peixoto que deixou Paulinho na cara de Patrício. O duelo foi ganho pelo guarda-redes.

Esta era a melhor fase da equipa da casa, que terminou rapidamente com a expulsão de Pek’s, na sequência de uma entrada despropositada sobre William. Com o Gil Vicente diminuído, o Sporting foi à procura do golo da tranquilidade, que chegou aos 74’, através do inevitável Montero, oportuno a desviar a defesa incompleta de Adriano a remate de Capel. Foi o seu 13.º golo em 12 jornadas e confirmou a fuga para a frente dos "leões".