Ina Fassbender /Reuters
Foto
Ina Fassbender /Reuters

Megafone

A PlayStation 4 é para todos os jogadores

Tantas imagens e conferências vistas durante os últimos meses e, finalmente, ali está, a PS4! Quase que apetece dizer: "Olá, eu sou o Ivan, até que enfim somos apresentados"

Quem anda minimamente informado sobre a indústria dos videojogos sabe que está aí uma nova PlayStation 4. Mas, entretanto a consola já saiu nos EUA e, por isso, temos acesso a milhares de "reviews", tanto da consola como dos seus jogos. O factor surpresa é cada vez menor, tendo isto as suas vantagens e desvantagens.

 

Por cá, a Sony organizou um evento para promover a consola junto do público. Trata-se de uma casa acolhedora inserida num dos bairros mais típicos de Lisboa. Diria até que é um casamento perfeito entre o tradicional português e a inovação japonesa. Chamada "The Playce" e é, tal como o nome indica, o local onde jogadores se encontram para jogar.

 

Lá dentro, além de um ambiente castiço e acolhedor, temos, claro, a consola e os seus jogos. Imediatamente, o meu foco é para o sistema em si. Tantas imagens e conferências vistas durante os últimos meses e, finalmente, ali está, a PS4! Quase que apetece dizer: "Olá, eu sou o Ivan, até que enfim somos apresentados".

 

Próximo passo é começar a interagir com a PS4 e é óbvio que preciso do comando. Desde o primeiro modelo na PlayStation original que a Sony não arriscava tanto em modificar um comando. Embora já soubesse algumas das suas características, não há nada como tê-lo nas mãos. Sinceramente, estou muito satisfeito com o seu conforto ergonómico. Parece que estou a encontrar um velho amigo que, apesar de fisicamente algo diferente, continua familiar.

 

Quanto aos jogos, o "slogan" oficial afirma que a PS4 é para todos; por isso, os (poucos) títulos disponíveis no "The Playce" demonstram um pouco da varidade que estará nas lojas.

 

Os amantes do desporto que se preparem para as emoções do "FIFA 14" — e, talvez, até para começarem a ouvir, nesta geração, as eternas desculpas: "os teus jogadores correm mais que os meus". Se, por outro lado, forem apaixonados por FPS, terão alguns bons títulos, onde se incluem o exclusivo "Killzone: Shadow Fall" e "Call of Duty: Ghosts da Activision" (ambos bastante equilibrados). No reino das aventuras, "Assassin’s Creed IV: Black Flag da Ubisoft" e o também exclusivo "Knack" poderão fazer as delícias dos jogadores. Este último foi para mim o mais apelativo. Mark Cerny está realmente de parabéns. Por fim, o último titulo que testei foi "Lego Marvel Superheroes", que não acrescenta nada de espectacular à saga da Lego nos videojogos, mas também não desaponta. Também vamos ter alguns títulos "indie", mas, isso deixei ao cargo do meu colega.

 

Evidentemente, tal como seria de esperar, os jogos no princípio de geração nunca exploram ao máximo as possibilidades do sistema. No entanto, posso afirmar que nenhum dos cinco que testei me desiludiu, antes pelo contrário — são todos muito sólidos. Não vão causar um "uau!" estrondoso, mas cumprem o que devem fazer.

 

Além disto tudo, a PlayStation 4 possui um serviço interno que demonstra algumas potencialidades do sistema. Chama-se "The Playroom" e embora o pudesse descrever, não o vou fazer. Algumas coisas ainda devem ser deixadas para o utilizador descobrir por si próprio.

 

Estou em crer que, se vão comprar a PlayStation 4 dentro de dias, não ficarão desiludidos. Há um pouco de tudo para todos. Tal como o "slogan" afirma, isto é para os jogadores. Para todos os jogadores!