DR
Foto
DR

Megafone

Estas são as minhas memórias com a PlayStation

Jogo há cerca de 26 anos e desde 1995 que uma consola da Sony não me escapa (nem as portáteis). Fui construindo as minhas memórias durante estes anos todos

A Sony PlayStation foi lançada em finais de 1994 no Japão. Ao longo do ano seguinte chegou a quase todo o mundo e mudou o universo dos videojogos. Tal como as consolas da Sony têm evoluído até hoje, a sua comunicação, principalmente a televisiva, tem acompanhado esse progresso. A mensagem de certa forma mantém-se, é um portal para um outro mundo, e à medida que esse mundo foi sendo nosso, do jogador, vincou ainda mais essa ideia.

Com a chegada da sua nova consola, a PlayStation 4, lançada na Europa no próximo dia 29 de Novembro, a mensagem tem sido clara: isto é para ti, o jogador. Simples, consistente e forte, apelando à memória do jogador para criar o seu próprio universo PlayStation.

Jogo há cerca de 26 anos e desde 1995 que uma consola da Sony não me escapa (nem as portáteis). Fui construindo as minhas memórias durante estes anos todos. Orgulho-me delas sabendo que podem coincidir com as de tantos outros e que elas continuarão a crescer para outras dimensões ao longo dos próximos anos.

Ainda hoje revisito jogos da PlayStation, PSX (por inúmeras razões — memórias, lá está — é a minha consola preferida). A maior parte deles são piores do que lembrava, alguns são quase insuportáveis de jogar após termos tido contacto com outras realidades, mas quando pego neles há algo que transcende o teste do tempo. Ainda sinto arrepios quando entro nos primeiros minutos de “Metal Gear Solid”, lembrando-me consistentemente de questionar o que raio era aquilo. E o final do primeiro CD de “Final Fantasy VII”? Cliché, verdade, mas quem passou por aquilo na altura nunca mais se esqueceu.

E o que dizer das péssimas interpretações de “Resident Evil”, em 1996 isso nem era um problema, mas agora não consigo jogar sem me desatar a rir. Ou das limitações técnicas de “Silent Hill”, tão bem aproveitadas para tornar cada minuto num autêntico pesadelo e numa das experiências mais gratificantes que tive dentro do género de horror. A minha PSP está cheia de jogos da PSX que revisito frequentemente fora de casa para matar saudades.

A primeira experiência foi tão rica que cheguei algo tarde à PlayStation 2. Na verdade, comprei-a inicialmente para ser uma máquina de “Pro Evolution Soccer” (e acabei de me lembrar do ridiculamente fantástico “Adidas Power Soccer” para a PSX). Mas daí a saltar para os três “Grand Theft Auto”, para “Metal Gear Solid” 2, “God Of War”, “Manhunt”, “Max Payne”, “Kingdom Hearts”, “Burnout”, “Shadow Of Memories” e, claro, os essenciais “Ico” e “Shadow Of The Colossus” foi um instantinho. Ainda recordo estes dois últimos como se tivesse acabado de os jogar ontem.

Foi difícil aceitar que “FIFA” era melhor que “Pro Evolution Soccer” na PlayStation 3. Mas consegui, num ano em que comprei os dois porque as limitações do “PES” começavam a ser insuportáveis. Na, por enquanto, actual geração de consolas, voltei a jogar como não jogava desde a adolescência. Jogos como “Braid”, “Limbo”, “Journey”, “Shatter”, “Super Stardust HD”, “Hotline Miami”, “Lone Survivor”, “Dead Nation”, “Guacamelee” e “Outland” mostraram-me como equipas pequenas — ou só uma pessoa — podem usar a sua experiência e memória dos jogos da infância/adolescência para criarem experiências únicas com o poder de máquinas mais potentes nas mãos.

E sei que, a poucos dias de ter uma PlayStation 4 nas mãos, não vou deixar de voltar a jogos como “Uncharted 2”, “The Last Of Us”, “Bioshock”, “Borderlands 2”, “Far Cry 2”, “Dead Space”, “InFAMOUS”, “Dark Souls”, “Portal 2”, “LittleBigPlanet”, “Red Dead Redemption”, “Heavy Rain” e, claro, “Grand Theft Auto V” nos próximos anos. Sei, porque foi sempre assim.