Primeiro-ministro da Letónia demite-se devido a tragédia no supermercado de Riga

País entra na zona euro a 1 de Janeiro e Dombrovskis diz que precisa de estabilidade política.

Dombrovskis assumiu a responsabilidade política pelo desastre de Riga
Foto
Dombrovskis assumiu a responsabilidade política pelo desastre de Riga Ints Kalnins/Reuters

O primeiro-ministro da Letónia, Valdis Dombrovskis, demitiu-se nesta quarta-feira, devido à derrocada do tecto de um supermercado em Riga. Morreram 54 pessoas.

“Tendo em conta a tragédia do supermercado e as suas circunstâncias, é preciso um Governo que tenha uma maioria clara no Parlamento. Anuncio a minha demissão e assumo as responsabilidades políticas da tragédia”, disse Dombrovskis, depois de uma reunião com o Presidente Andris Berzins. Foi a  maior tragédia no país desde a independência da União Soviética, em 1991.

O tecto do supermercado caiu na sexta-feira. De acordo com o representante da câmara municipal, estavam a ser realizadas obras no telhado para o transformar num jardim suspenso. Segundo a porta-voz da empresa proprietária, Olga Maldiciente, o supermercado era o único que tinha um jardim suspenso entre os 400 da rede do grupo Maxima nos países bálticos. O grupo já ordenou uma fiscalização aos 140 supermercados na Letónia, e prevê fazer o mesmo na Lituânia e na Estónia.

Uma segunda derrocada apanhou os bombeiros e os socorristas dentro da estrutura. Acabaria por cair “um terceiro pedaço do telhado, mas, felizmente, foi num sector onde ninguém estava a trabalhar”, disse a porta-voz dos bombeiros, Viktorija Sembele.

A polícia da Letónia trabalha com três hipóteses para o motivo do acidente: a concepção do prédio, a sua construção ou os elementos novos instalados no tecto. “Estamos a verificar todos os detalhes. A causa continua a ser um mistério, mas tem de ser descoberta. Se houve uma falha, foi enorme”, disse Marite Staume, porta-voz da empresa Re&Re, que construiu o prédio.

A porta-voz dos bombeiros disse que “a maior parte da construção foi inspeccionada, mas a estrutura restante contém vários blocos enormes, muito pesados, particularmente perigosos”.

O ministro do Interior, Rihards Kozlovskis, disse  à televisão pública que “existiu um problema com o cumprimento das normas de construção”.

O Governo decretou três dias de luto nacional e o Presidente considerou que o caso deve ser considerado “homicídio de pessoas indefesas”. “É um caso complexo. Não pode ser classificado como catástrofe natural ou azar, porque a natureza não teve qualquer papel nisto”.

A Letónia entra na zona euro a 1 de Janeiro de 2014 e Riga será a capital europeia da cultura no próximo ano.