Voz e Guitarra regressa com um segundo volume, 33 nomes e várias surpresas

O primeiro nasceu na euforia da Expo, este em plena crise. Voz e Guitarra 2, com 33 cantores e músicos, chega dia 25 às lojas

Foto
Ana Bacalhau por António Jorge Gonçalves António Jorge Gonçalves

O lançamento do primeiro volume de Voz e Guitarra ocorreu em tempos de euforia: a Expo’98 estava à porta e o disco, um CD duplo lançado pela Farol em 1997, já trazia o selo do Festival dos 100 Dias associado à Expo. Reunia nome como Rui Veloso, Sérgio Godinho, Jorge Palma, Filipa Pais, João Gil, Luís Represas, Pedro Jóia, Nuno Rafael, Flak, Vitorino, Janita, João Afonso, Xana, Né Ladeiras, Zeca Medeiros ou Tim.

Agora, em tempos já não de euforia mas de crise, a mesma dupla que idealizou e produziu tal projecto (António Miguel Guimarães, que teve a ideia, e Manuel Paulo Felgueiras, o produtor) quis arriscar um Voz e Guitarra 2. Tal como no primeiro, voltam a cruzar-se diferentes gerações de músicos, conjugando vozes e guitarras (acústicas na sua maioria, mas também eléctricas) em torno de versões ou até de temas originais.

Do primeiro disco, só transitaram três músicos (Tim, Moz Carrapa e Mário Delgado), numa lista que alinha 33 nomes: Ana Bacalhau, Ana Deus, André Indiana, António Zambujo, Carlos Guerreiro, Carlos Nobre, Dead Combo, Filipe Cunha Monteiro, Gaiteiros de Lisboa, João Pedro Pais, José Peixoto, Júlio Pereira, Luís José Martins, Luísa Sobral, Luís Varatojo, Mafalda Veiga, Márcia, Maria João, Mário Delgado, Marisa Liz, Moz Carrapa, Nancy Vieira, Nuno Prata, Patrícias SA, Pedro Casais, Rui Reininho, Rui Vaz, Samuel Úria, Sara Tavares, Tiago Maia, Tiago Pais Dias e Tim.

E, no cruzamento de vários destes nomes, há várias surpresas: Maria João e Ana Deus a cantarem Frederico de Brito, respectivamente a Canção do mar e o Primeiro Fado; Márcia a rever António Variações com os Dead Combo (Visões ficções); Samuel Úria a dar corpo e voz a Chamar a música, com que Sara Tavares venceu o Festival da Canção, enquanto Sara canta Carlos Tê e Hélder Gonçalves (Problema de expressão); Tim a cantar Engrenagem de José Mário Branco; Ana Bacalhau e Mafalda Veiga a escolherem Fernando Tordo (Estrela da tarde a primeira e Cavalo à solta a segunda); Zambujo a cantar Jorge Palma (O meu amor existe); e Luísa Sobral Fora de tempo, de Luís Represas.

Por fim, o artista gráfico António Jorge Gonçalves seguiu as gravações e fez a crónica visual de tudo, em inúmeros desenhos que compõem o libreto que acompanha Voz e Guitarra 2. No disco, duplo, que chega esta segunda-feira às lojas, António Miguel Guimarães diz esperar que ele “contribua uma vez mais para aproximar o público da música e poesia portuguesa”, dando “continuidade ao belíssimo cancioneiro português da última década.”