Os ventos mais fortes de sempre atingiram as Filipinas

Cidade de Tacloban foi varrida por ondas de cinco metros.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Se as alterações climáticas tiveram alguma coisa que ver com o supertufão que atingiu as Filipinas é algo que poucos cientistas se atreverão a afirmar de forma definitiva. Mas o motor das tempestades – a subida da temperatura das águas à superfície –, esse, está com certeza a aumentar. "Não se pode dizer que acontecimento em particular seja causado ou até exacerbado pelas alterações climáticas, mas podemos dizer que os dados estão a ser viciados, de forma a causar tempestades graves no futuro", comentou à Reuters Will Steffen, director executivo do Instituto das Alterações Climáticas da Universidade Nacional Australiana.

Mas a devastação provocada pelo tufão Haiyan deverá ter sido aumentada pela geografia, que criou uma espécie de efeito de funil, que despejou uma onda de cinco metros de altura sobre a cidade de Tacloban, avança a revista New Scientist.

As ondas da tempestade foram conduzidas para Tacloban através de um canal que separa a ilha de Samar, a nordeste, da província de Leyte, a sudoeste, onde fica Tacloban. A cidade fica num promontório, completamente exposta, à mercê das ondas provocadas pela tempestade.

Cerca de 20 tufões atingem todos os anos as Filipinas, sobretudo o Norte do país e a maior ilha, Luzon. Mas, nos últimos dois anos, tem-se registado uma mudança de padrões, com grandes tempestades a chegarem mais a sul, como o tufão de categoria 5 Bopha, com ventos de 280 km/hora. A culpa é das alterações climáticas? Talvez, mas ninguém arrisca dar uma resposta a 100%.