E o Argentinosaurus voltou a andar 94 milhões de anos depois

Investigadores ingleses, em colaboração com um museu argentino, recriaram os passos de um dos maiores dinossauros herbívoros que alguma vez caminhou sobre o nosso planeta.

Reconstituição do <i>Argentinosaurus</i> no Museu Municipal de Carmen Funes, na Argentina
Foto
Reconstituição do Argentinosaurus no Museu Municipal de Carmen Funes, na Argentina Bill Sellers/Universidade de Manchester

Conseguir que um animal de 40 metros de comprimento e 83 toneladas “andasse” foi um desafio assumido pela equipa de William Sellers, da Universidade de Manchester, no Reino Unido. Num artigo na revista PLOS ONE, os cientistas demonstraram, pela primeira vez, num modelo digital, como poderia ser a locomoção do Argentinosaurus.

O Argentinosaurus huinculensis é um dos maiores saurópodes que alguma vez pisou a superfície da Terra, com pegadas de um metro de diâmetro nas patas dianteiras, e um metro e meio nas patas traseiras. Este herbívoro quadrúpede de pescoço e cauda bastante longos viveu durante o período Cretácico, há cerca de 94 milhões de anos. Deve o seu nome ao local onde foi encontrado – Plaza Huincul, uma cidade na Argentina.

Não existe, actualmente, nenhum animal com o qual os investigadores pudessem comparar os movimentos do enorme saurópode, mas os padrões de vários animais existentes podem ser testados para avaliar quais os que fazem mais sentido biológica e mecanicamente para este animal. Desta forma, é possível criar uma simulação por computador suficientemente fiável e que permita testar as hipóteses que forem sendo propostas.

“Se queremos descobrir como é que os dinossauros andavam, a melhor abordagem é através de simulações de computador”, afirma William Sellers, no comunicado de imprensa da universidade. “É a única forma de juntar todas as informações diferentes que temos sobre este dinossauro para conseguir reconstruir os seus movimentos.”

A primeira fase da construção do modelo baseou-se na digitalização de um esqueleto da espécie, uma reconstrução presente no Museu Municipal Carmen Funes, da cidade onde foi encontrado o fóssil. Apesar de a reconstrução do “Argentinosaurus huinculensis” se basear apenas em alguns ossos e fragmentos, foi calculado que teria um peso estimado entre as 60 e as 88 toneladas.

Definiram-se três segmentos de movimento para cada perna, e assumiu-se que a cauda, o pescoço e a cabeça teriam um comportamento semi-rígido, neste modelo. “É possível modelar cada osso como um segmento independente, mas fazê-lo aumenta bastante o tempo de cálculo”, referem os autores no seu artigo.
 
Passada tranquila
A recriação dos músculos também foi simplificada para reduzir o tempo de computação. “[Mesmo assim] usámos o equivalente a 30 mil computadores pessoais para que o Argentinosaurus desse os seus primeiros passos”, reforça Lee Margetts, investigador neste projecto. Os músculos foram reduzidos a cilindros ligados estrategicamente aos ossos, com indicação das possíveis acções funcionais e das articulações principais. O mais importante para a modelação do movimento é, neste caso, a massa muscular que existe no animal. O modelo tridimensional tinha uma massa estimada de 83 toneladas.

Com o dinossauro virtual pronto, os cientistas só precisavam de lhe dar o impulso inicial para o pôr em marcha. Apesar de não conseguir manter uma marcha contínua e de alguns parâmetros necessitarem de ser afinados, o certo é que este dinossauro voltou a andar. Para lá do andar robótico e das limitações da simulação (a cauda e o pescoço não mexem), podemos ver num vídeo como a caminhada do Argentinosaurus é tranquila. E como primeiro se mexem as patas do lado direito e depois as do esquerdo.

“Para conseguir uma melhor simulação, foi definido uma passada com cerca de três metros de comprimento, e o animal seguia a uma velocidade de sete quilómetros por hora”, revelou ao PÚBLICO William Sellers.

O software utilizado, o GaitSym, é de acesso livre e já foi usado na reconstrução de outros vertebrados, como grandes primatas (homem, chimpanzé e orangotango) e no dinossauro com bico-de-pato Edmontosaurus, garantindo um elevado nível de qualidade anatómica.

A equipa da Universidade de Manchester prepara-se agora para, utilizando este método, recriar os passos de outros dinossauros como o Triceratops, o Brachiosaurus e o Tyrannosaurus rex.