Morreu Luna Andermatt, a mulher que ajudou a inventar a dança em Portugal

Corpo será cremado após missa na Igreja da Encarnação, em Lisboa, esta quarta-feira, às 14h30.

Luna Andermatt tinha 86 anos
Fotogaleria
Luna Andermatt tinha 87 anos Miguel Manso
Fotogaleria
Luna Andermatt
Fotogaleria
Ensaio da peça "Durações de Um Minuto", no S. Luiz Pedro Cunha
Fotogaleria
Luna Andermatt
Fotogaleria
Luna Andermatt

Morreu Luna Andermatt (1926-2013), grande impulsionadora da dança em Portugal. Fundadora da Companhia Nacional de Bailado, em 1976, foi responsável pela reforma da dança em Portugal e pelas suas mãos passaram muitos dos bailarinos e coreógrafos que depois dançariam na CNB e no Ballet Gulbenkian. Andermatt morreu esta terça-feira à tarde.

Foi no programa de abertura da Companhia Portuguesa de Bailado que Francisco Brás de Oliveira, marido de Luna Andermatt, escreveu: “À loucura queremos dar equilíbrio/ ao medo queremos dar confiança e fé/ ao egoísmo opomos a dádiva de nós mesmos.” Estávamos em 1961 e no Teatro Nacional São Carlos, em Lisboa, nascia um projecto antigo de alguém que desde cedo quis “dignificar a arte da dança em Portugal”.

Luna Andermatt morreu na terça-feira, aos 87 anos, de doença prolongada. Ao PÚBLICO tinha dito, em 2010, quando a filha, Clara Andermatt, coreógrafa e bailarina, com o encenador e realizador Marco Martins, a desafiou a regressar ao palco para contar a sua história em Durações de Um Minuto, sentir que cumprira tudo a que se tinha proposto “e que a vida [lhe] podia dar”. Mas Luna, que desde jovem nunca quis deixar-se resignar pelas condições à sua volta, continuava a aparecer em palco. “É preciso encarar a realidade. Uma coisa é aceitar e a outra é resignar-se. O aceitar é o mais fácil, porque é uma escolha. Não é um disfarce. Ninguém pense que, ao disfarçar-se, se consegue iludir. É só pobreza de espírito.”

Por isso, quando em Maio deste ano a Câmara Municipal de Lisboa a homenageou com a medalha de ouro da cidade, no palco do Teatro Camões, sede da Companhia Nacional de Bailado, que fundou, em 1976, com o humor que nunca a abandonava, disse: "Se pudesse ainda dançar, saberia agradecer esta homenagem.”

E, contudo, Luna nunca deixou de dançar. Nos espectáculos da Companhia Maior, que integrou desde a sua criação, em 2011, a sua presença nunca deixava de guardar a rebeldia que não conseguia esconder-se atrás de uma educação clássica, e a elegância de quem tinha sobre o corpo um conhecimento profundo. Por isso, quando a filha Clara a quis dirigir no espectáculo Maior, estreado no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, no ano seguinte, Luna surpreendeu-se: "Primeiro, pôs-me descalça. E eu nunca na vida estive habituada a entrar num palco descalça, agoniava-me, parecia uma tranca que me tinham posto nos pés."

A formação de Luna começou em Portugal, nos Bailados de Margarida de Abreu, mas foi quando chegou a Londres, à Royal Ballet School, que aprendeu mais do que as posições que faziam das bailarinas seres mecanicamente perfeitos. Contou-o ao PÚBLICO: “Tinha umas pontas muito boas e fortes, sempre fui muito 'brava' em pontas. Estive lá um ano e adorei. Falava o inglês fundamental, mas vivia sôfrega de tudo quanto via. Bebia tudo quanto havia e podia, mesmo se a minha vida era escola-casa-cama. Depois das aulas, que começavam às oito da manhã, ainda tinha aulas particulares.”

Quando bailarina não era profissão
Regressou a um país onde não existia a categoria de bailarina clássica. “Tinha de escolher entre dançarina de circo ou corista. Haver bailarinas havia, mas não como profissão. Cheguei a dançar muitas vezes no São Carlos, e o meu tio, governador militar de Lisboa, que tinha um camarote permanente, via-me ali de soutien, como se fosse um biquíni da praia, e dizia à minha mãe que ela tinha de ser pai e mãe para mim, para não deixar que eu caísse no Parque Mayer.”

Foi preciso chegar a 1976 e ao convite de David Mourão Ferreira, então secretário de Estado da Cultura, para recuperar o projecto da Companhia Portuguesa de Bailado, que Luna Andermatt começou a desenhar o que viria a ser a Companhia Nacional de Bailado. Foram oito anos, ao lado de Armando Jorge, Vera Varela Cid e Pedro Risques Pereira, que formaram bailarinos, instituíram um novo modelo de apresentação que distinguia a dança dos saraus de ballet. “O ballet tornou-se assunto de Estado. Convidou-me para o Conselho Nacional de Cultura. Mas o que é que eu ia dizer no meio daquelas pessoas todas muito importantes? Era uma mesa muito longa e eu era ínfima, nem sabia o que havia de dizer para os tocar. Até me engasguei, quando chegou a minha vez de falar. Teve de ser o [pintor Nikias] Skapinakis a terminar a minha frase.”

Pressões diversas levaram-na a sair. Luna era uma mulher pouco canónica, fora e dentro das aulas. Era uma professora que gostava de circular entre as suas alunas, em exercícios na barra, de salto agulha e a sua eterna boquilha. “Tenho muito orgulho em lhes ouvir dizer que não aprenderam só a técnica do bailado, mas a expressão do próprio corpo. É preciso ser-se atento a muitas coisas ligadas à pessoa, à espiritualidade, é preciso trabalhar todos os dias, e as coisas não são feitas ao som do relógio.”

Mãe da coreógrafa Clara Andermatt, da programadora cultural Maria de Assis Swinertton e do economista Francisco de Assis, Luna Andermatt será cremada esta quarta-feira, após a missa de corpo presente às 14h30 na Igreja da Encarnação, em Lisboa.

Texto actualizado às 12h38