Crato diz que portugueses teriam de "trabalhar mais de um ano sem comer" para pagar a dívida

Marco António Costa acusa o PS de se ter fechado "dentro de um casulo".

Foto
Nuno Crato Nuno Ferreira Santos

Para Nuno Crato, os sinais "ténues" de crescimento não podem ser ignorados. "Portugal entrou numa espiral responsável", refere. Mas antes, o governante lembrou que, neste momento, os portugueses teriam de "trabalhar mais de um ano sem comer e sem utilizar transportes só para pagar a dívida". 

"Estamos no sistema monetário do euro, não temos uma máquina de imprimir dinheiro", avisa o ministro, que faz questão de lembrar os sinais positivos.

Também em Ovar, Marco António Costa acusou o PS de se fechar ao diálogo. "O PS fechou-se dentro de um casulo e recusa permanentemente o diálogo", disse o porta-voz do PSD, insistindo que vai convidar os socialistas para debaterem o Orçamento do Estado. "O PS tem de abandonar esta posição de auto-isolamento e de total indisponibilidade para o diálogo", acrescentou Marco António, argumentando que em nenhum outro país europeu o maior partido da oposição se comporta como o partido de António José Seguro.

"Que enigma é este que faz com que o PS tenha um bloqueio psicológico para reconhecer a verdade?", questionou o social-democrata.

Depois das intervenções do ministro e de Marco António Costa, a sessão de esclarecimento sobre o Orçamento do Estado prosseguiu sem os jornalistas no interior da sala, por indicações do PSD.