Crónica de jogo

O Sporting expulsou de Alvalade o fantasma do Marítimo

“Leões” aproveitam o deslize dos portistas e encurtam distância para o líder da Liga.

Capel marcou o primeiro golo do Sporting
Foto
Capel marcou o primeiro golo do Sporting Francisco Leong/AFP

Foi um Sporting que transbordou alma aquele que neste sábado venceu (3-2) o Marítimo, recuperando o segundo lugar e tirando partido da escorregadela do FC Porto no Restelo. Mas não foi um jogo fácil para a equipa de Leonardo Jardim.

Os “leões” foram para o intervalo em desvantagem e a tensão chegou a ser palpável em Alvalade. O fim da primeira parte deixou os nervos em franja aos adeptos, mas a equipa não se deixou enervar. E deu a volta aos acontecimentos no segundo tempo, regressando às vitórias no campeonato.

Capel, que voltou à titularidade, deu vantagem ao Sporting (29’), mas o Marítimo conseguiu a reviravolta no marcador ainda antes do intervalo. Primeiro, foi Rúben Ferreira, na transformação irrepreensível de um livre directo. Depois, num lance controverso, Heldon fez o 2-1 de grande penalidade. Mas os “leões” não perderam o sangue-frio e garantiram o triunfo com golos de Slimani e Adrien Silva (de penálti).

Vindo de uma derrota, a primeira da temporada, na visita ao FC Porto, o Sporting entrou em campo frente ao Marítimo com várias novidades no “onze”. Leonardo Jardim abdicou de Maurício, Piris, André Martins e Wilson Eduardo, dando a titularidade a Dier, Jefferson, Vítor e Capel, respectivamente.

Frente a uma espécie de “besta negra” — o Marítimo contava por vitórias as últimas duas visitas a Alvalade — o Sporting entrou mais lento do que o habitual. Apesar das fragilidades dos insulares (uma das piores defesas do campeonato, que sofreu ontem a quinta derrota consecutiva na I Liga), a equipa de Leonardo Jardim demorou a levar perigo à baliza de Leoni.

Mas era uma questão de tempo até ao golo. Fredy Montero ficou a dever um a si próprio, quando, isolado após um grande toque de Adrien Silva, rematou rasteiro e ao lado do poste (27’). Porém, dois minutos depois, Capel mostrou como se faz e, com um grande remate, colocou o Sporting em vantagem.

O que veio a seguir é que não estava nos planos dos “leões”. Rúben Ferreira, de livre directo, não deu hipóteses a Rui Patrício. E, em cima do intervalo, Bruno Esteves assinalou (um controverso) penálti num lance entre Jefferson e Sami. Heldon não desperdiçou a oportunidade.

Mas o Sporting não se deixou afectar pelo atribulado final da primeira parte. Determinado a inverter o rumo dos acontecimentos, fez do segundo tempo um jogo de sentido único. De dentes cerrados, o Marítimo defendia a vantagem obtida. Mas acabaria por quebrar face à insistência “leonina”. Na sequência de um canto, Slimani estreou-se a marcar no campeonato. E o 3-2 surgiu pelos pés de Adrien Silva, na transformação de uma grande penalidade.

A alma sportinguista expulsou de Alvalade o fantasma do Marítimo. Para os “leões” foi a preparação ideal para o derby que aí vem, na Taça de Portugal.