"Assassinos", gritaram cidadãos na Assembleia da República

Intervenção de Paulo Portas interrompida por protestos nas galerias, que foram imediatamente evacuadas.

Fotogaleria
O protesto, que não durou mais do que um minuto, ocorreu quando falava Paulo Portas Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Foram as palavras mais duras gritadas até hoje por manifestantes nas galerias da Assembleia da República: "Assassinos!" O protesto, que não durou mais do que um minuto, interrompeu a intervenção do vice-primeiro-ministro no encerramento do debate na especialidade do Orçamento do Estado para 2014.

“Assassinos, assassinos!”, foi a palavra de ordem gritada por cerca de 20 pessoas nas galerias reservadas aos cidadãos no Parlamento.

Os manifestantes, que empunharam papéis a formar a palavra “Rua” e outros cartazes — com a inscrição “carrascos do povo”, por exemplo —, gritaram ainda que “está na hora de o Governo se ir embora” e “fascistas!”.

"Senhor vice-primeiro-ministro, peço desculpa por esta breve interrupção", disse a presidente da Assembleia da República, antes de mandar evacuar as galerias. A seguir, Assunção Esteves dirigiu-se aos manifestantes, dizendo: "Este é o vosso Parlamento."

"Senhora presidente, aqui reafirmo a minha convicção do direito ao protesto e a confiança na representação popular do povo português, em nome do qual cada um de nós aqui está”, retomou então Paulo Portas.

A retirada dos protestantes foi forçada pelos agentes da PSP presentes e os papéis prontamente rasgados e arrancados das suas mãos, embora alguns tenham caído ou sido arremessados para o hemiciclo, junto de vários deputados.

À porta da Assembleia da República, junto às escadarias, vários milhares de pessoas reuniram-se e protestaram também contra o executivo liderado por Passos Coelho e a sua proposta de orçamento, numa acção convocada pela CGTP.