Meter a colher

Foto

Adistinção entre espaço público e espaço privado é um conceito fundamental da modernidade, e está fora de causa um jornal de referência invadir a privacidade de quem não a deseja mostrar. Mas o PÚBLICO, ao optar, até ao momento em que escrevo, por não noticiar o caso Bárbara Guimarães/Manuel Maria Carrilho, está a fazer uma outra coisa, que me parece criticável - manter como privado aquilo que os envolvidos decidiram tornar público. Ora, há uma diferença significativa entre ir espreitar pelo buraco da fechadura, como é próprio dos tablóides, e tapar os olhos com as mãos porque se considera que o espectáculo é indigno, como o PÚBLICO está a fazer. Esta atitude, embora cheia de boas intenções e justificada por nobres motivos éticos e jornalísticos, acaba por ser uma forma indirecta de paternalismo, particularmente discutível quando aquilo que está em causa é uma denúncia de violência doméstica, a que se seguiu um ataque descabelado de Manuel Maria Carrilho à mãe e aos avós dos seus dois filhos mais novos.

Repito, para que não fiquem quaisquer dúvidas sobre isto: ainda que uma figura pública retire benefícios do seu estatuto - desde logo, reconhecimento, que se traduz em prestígio e em dinheiro -, tal não significa que tenhamos o direito de exigir em troca a eliminação da sua privacidade. Isso seria expropriar um cidadão do direito à intimidade, valor sagrado em qualquer democracia, tanto para anónimos como para famosos. Contudo, quando é a própria figura pública a optar por expor a sua privacidade, ainda que da forma mais crua e pelos piores motivos, nós não devemos eximir-nos de efectuar um escrutínio público (e, já agora, moral, essa palavra que assusta tantos filósofos da pós-modernidade) das suas acções, até porque tais acções são amplificadas precisamente por se ser uma figura pública.

A opção pela não-notícia, nesse sentido, acaba paradoxalmente por ser uma opção muito pouco neutra, porque ela opta pelo silenciamento num caso em que se exige a denúncia de um comportamento a todos os títulos inadmissível. Não noticiar é condescender, é dar corpo à velha máxima "entre marido e mulher não se mete a colher". Ora, como me parece óbvio, há casos, como este, em que se tem a obrigação de meter a colher - não porque se saiba que Bárbara Guimarães foi efectivamente vítima de violência doméstica (o que existe neste momento é uma queixa), mas porque se sabe que Manuel Maria Carrilho, enquanto marido mas sobretudo enquanto pai, ultrapassou todos os limites do civismo e da decência nas sucessivas declarações que proferiu à comunicação social.

Reduzir o que se está a passar a simples voyeurismo das massas é, por isso, uma falácia. Em primeiro lugar, porque a questão da violência doméstica é um problema gravíssimo em Portugal, que está longe de ter a atenção que merece, e que temos a obrigação de levar sempre a sério - e investigar - quando é denunciado. Em segundo lugar, porque um jornal de referência não é só feito de páginas de política e de economia, e quando um caso de vida se impõe com tanta força como este, ignorar não é uma opção. Pelo contrário: ignorar pode ser considerado uma forma, ainda que involuntária, de indiferença. Ora, nem toda a gente que pára diante de um acidente é um mirone. Há quem queria apenas ajudar. E ajudar a compreender o que acontece, e a denunciar aquilo que está mal, é a mais nobre das tarefas de um jornal de referência. Como o PÚBLICO se orgulha, justamente, de ser.

Jornalista [email protected]