CDU coliga-se com PSD na Câmara de Loures

Comunistas garantem que acordo “não prejudica” a posição do partido “em relação à política do Governo em geral”.

Bernardino Soares ganhou as eleições mas sem a maioria
Foto
Bernardino Soares ganhou as eleições mas sem a maioria Miguel Manso

A CDU de Loures assumiu nesta segunda-feira a existência de “um acordo de princípio” de governação com o PSD que passa pela entrega de pelouros aos sociais-democratas, com o objectivo de “encontrar soluções para a estabilidade na gestão da câmara” agora presidida pelo comunista Bernardino Soares. Em comunicado, a CDU acrescenta que tal “não prejudica” a aplicação do seu programa, opções e prioridades, “nem a posição da CDU em relação à política do Governo em geral”.

O social-democrata Fernando Costa, eleito vereador pela coligaçãoLoures Sabe Mudar, disse nesta segunda-feira que vai assumir o pelouro dos Serviços Jurídicos no executivo municipal liderado pelo antigo líder parlamentar do PCP, depois de ter sido estabelecido “um acordo de princípio” com a CDU. Nas eleições de 29 de Setembro, a coligação PCP-PEV elegeu cinco vereadores, o PS quatro e o PSD dois.

“Há muitos pontos em comum nos dois programas autárquicos e isso facilitou o acordo. Tanto a coligação Loures Sabe Mudar como a CDU defendem uma gestão mais rigorosa e uma redução dos impostos municipais”, justificou o vereador Fernando Costa. O rigor nas contas municipais foi, de resto, a prioridade apontada pelo novo presidente da câmara, Bernardino Soares, no discurso de tomada de posse, na semana passada.

Da coligação Loures Sabe Mudar, que integrou, além do PSD, o Movimento Partido da Terra e o Partido Popular Monárquico, irá também assumir pelouros o vereador social-democrata Nuno Botelho, que ficará com as áreas do Turismo, Polícia Municipal, coordenação do Contrato Local de Segurança e serviços do veterinário municipal.

PS sondado

Em comunicado divulgado ao final da tarde desta segunda-feira, a CDU de Loures sublinha que também encetou contactos com o PS, “visando a sua participação na gestão da câmara e procurando soluções que, tendo em conta a situação de maioria relativa, assegurassem o regular funcionamento da autarquia”. Segundo a coligação, o partido recusou “a proposta concreta de responsabilidades que lhe foi apresentada” e apresentou uma outra, que Bernardino Soares não aceitou.

“Tratava-se de uma contraproposta que, ao propor a atribuição ao PS de importantes áreas na gestão da câmara, não corresponderia, a ser aceite, à vontade de mudança expressa pela população de Loures”, continua a CDU, defendendo que os eleitores do concelho “não compreenderiam que fossem atribuídas ao PS elevadas responsabilidades nalgumas das mais importantes áreas do governo do município”. 

Já o PS, que elegeu quatro vereadores, alega que a proposta feita pela CDU “não respeitava” o partido. Ricardo Leão, presidente da concelhia do PS e vereador da Câmara de Loures, disse ao PÚBLICO que aquilo que Bernardino Soares ofereceu ao partido foi a entrega de um pelouro (o da coordenação do Contrato Local de Segurança) a apenas um vereador, que ficaria na autarquia a meio-tempo. 

Ricardo Leão acrescenta que a contraproposta do seu partido foi feita “em analogia” com o que ocorreu em 2001, quando o PS conquistou a presidência da autarquia à CDU, e lhe entregou áreas como a habitação e o ambiente, além de lugares na administração dos serviços municipalizados de Loures e da Parque Expo.

O presidente da concelhia de Loures do PS critica duramente Bernardino Soares pela entrega de pelouros ao PSD. “É um candidato de âmbito nacional que durante 18 anos teve na Assembleia da República um discurso político intenso contra a política de direita. Esta colagem ao PSD não lhe fica bem”, acusa. “É no mínimo muito estranho e demonstra uma falta de coerência tremenda”, conclui Ricardo Leão. 

No comunicado emitido esta segunda-feira, a CDU de Loures desvaloriza as críticas dos socialistas. O entendimento com o PSD, diz a coligação, “mantém na responsabilidade directa da CDU as principais responsabilidades da câmara e dos SMAS [Serviços Municipalizados de Água e Saneamento] e não prejudica em nenhum aspecto nem a aplicação do programa da CDU e das suas opções e prioridades, nem a posição da CDU e da câmara em relação à política do Governo em geral e, em concreto, no que diz respeito às autarquias locais e aos interesses do concelho”.

Bernardino Soares, antigo líder de bancada do PCP no parlamento, venceu as eleições autárquicas de Setembro em Loures com 34,74% dos votos, longe, portanto, da maioria absoluta.

Notícia actualizada às 20h13: acrescenta posição da CDU em comunicado enviado ao final da tarde.