Diplomacia em Milão e regresso feliz de Mourinho a Gelsenkirchen

Atlético de Madrid passeou em Viena, com um triunfo por 3-0, que consolidou a liderança do Grupo G.

Foto
Foto: Giuseppe Cacace/AFP

O Atlético de Madrid manteve, em Viena, um registo 100% vitorioso no grupo do FC Porto e tem praticamente garantido o apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Numa jornada com clara supremacia das equipas visitantes — apenas o Celtic venceu em casa —, AC Milan e Barcelona empataram a um golo, resultado que agrada a ambas as equipas, enquanto José Mourinho teve um regresso feliz a Gelsenkirchen, onde o Chelsea venceu, por 3-0.

Com Diego Costa novamente em destaque, o Atlético de Madrid conseguiu uma vitória fácil em Viena e pode garantir, já na próxima jornada, o apuramento para os “oitavos”. Raul Garcia, aos 8’, colocou os espanhóis em vantagem e depois entrou em acção o avançado do momento em Espanha. Disputado por espanhóis e brasileiros, Diego Costa marcou aos 20’ e 53’, garantindo uma vitória tranquila para a equipa de Tiago, que jogou os 90 minutos.

Numa das partidas mais aguardadas, AC Milan e Barcelona ficaram-se por um diplomático empate em Milão. A partida até prometeu nos primeiros minutos, com os italianos a entrarem bem e a aproveitarem uma displicência de Mascherano. O argentino, aos 9’, perdeu a bola à saída da sua área e dois ex-madridistas retribuíram a gentileza com o primeiro golo do jogo: Kaká assistiu Robinho que, com classe, bateu Valdés.

O Barcelona, até aí apático, reagiu a partir do primeiro quarto de hora e restabeleceu a igualdade aos 23’, pelo inevitável Messi. Depois, apesar de ambas as equipas terem beneficiado de um par de ocasiões para marcar, o jogo foi perdendo qualidade e a igualdade final acaba por satisfazer italianos e espanhóis, que terão pouca oposição de Celtic e Ajax na luta pelos dois primeiros lugares.

Os escoceses receberam, em Glasgow, os holandeses e conseguiram os primeiros pontos na prova: Forrest e Kayal marcaram para o Celtic, o dinamarquês Schone reduziu para o Ajax no último minuto.

Depois de uma estreia com uma derrota inesperada, o Chelsea de Mourinho viajou até à Alemanha sob pressão, mas o treinador português voltou a ser feliz no palco onde conquistou, em 2004, a prova pelo FC Porto. Logo aos 5’, Fernando Torres colocou os “blues” a vencer e o espanhol voltaria a estar em destaque ao fazer o 2-0, aos 69’. Hazard, no minuto 90, fixou o resultado final. Para além da vitória sobre o Schalke, o Chelsea beneficiou do empate do Basileia frente ao Steaua, a um golo, para assumir a liderança do Grupo E.

Numa noite sem grandes surpresas, o resultado mais inesperado surgiu em Londres, onde o Borussia Dortmund derrotou o Arsenal. Os londrinos, que lideram a Premier League e tinham vencido os dois primeiros jogos no Grupo F, viram-se em desvantagem aos 16’: Ramsey foi desarmado por Lewandowski, o polaco assistiu Mkhitaryan e o arménio bateu Szczesny pela primeira vez.

Perto do intervalo, num lance onde a defesa alemã esteve mal, Giroud restabeleceu a igualdade. Na segunda parte, os ingleses parecerem estar sempre mais perto da vitória, mas, a oito minutos do fim, Lewandowski concluiu um contra-ataque com um vistoso remate de primeira e garantiu a vitória da equipa de Jurgen Kloop.

Em Marselha, o Nápoles venceu por 2-1 e afastou os franceses da luta pelo apuramento. O primeiro golo napolitano surgiu perto do intervalo, numa jogada construída por dois proscritos do Real Madrid: Higuaín fez a assistência, Callejón marcou. Na segunda parte, aos 67’, o colombiano Zapata fez o segundo dos italianos. Jordan Ayew, perto do final, fez o golo de honra do Marselha.