CGTP nega pretender bloquear ponte 25 de Abril

Arménio Carlos assegura que central sindical não está “no jogo da provocação".

Foto
Arménio Carlos: “A nossa arma não é o confronto, é a apresentação de propostas e a luta" Daniel Rocha

O secretário-geral da CGTP assegurou nesta quinta-feira não haver qualquer intenção de bloquear a ponte 25 de Abril, em Lisboa, durante a marcha de protesto marcada para o próximo sábado.

"Não há essa intenção. Não estamos no jogo da provocação", afirmou Arménio Carlos aos jornalistas após um encontro com deputados do PS, no Parlamento.

A marcha de protesto, que também foi marcada para a cidade do Porto, não se realiza na ponte 25 de Abril — como pretendia a central sindical — depois de ter sido proibida pelo Governo por motivos de segurança. A manifestação vai realizar-se em Alcântara, mas os participantes atravessarão a ponte de autocarro. Arménio Carlos disse ainda que recusa recorrer aos tribunais para contrariar o despacho de proibição do Governo, como sugeriu o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo.

Questionado sobre se antevê desacatos na passagem pela ponte, o secretário-geral da CGTP recusou essa intenção. "Não estamos ali para provocar desacatos. O confronto pelo confronto, não. A nossa arma não é o confronto, é a apresentação de propostas e a luta", respondeu.

O encontro com o PS — a que se sequem outros com os restantes partidos — serviu para a CGTP dar conta do seu descontentamento face à proposta de Orçamento do Estado para 2014. Pela delegação socialista estiveram os deputados João Galamba, Hortense Martins e António Cardoso, mas não prestaram declarações aos jornalistas.

Sugerir correcção