Swaps do Santander com perdas potenciais de 1100 milhões

Contratos assinados por quatro empresas públicas são alvo de processo judicial em Londres

Foto
Presidente do Santander, António Vieira Monteiro Daniel Rocha

Estes derivados, que estão a ser alvo de um processo judicial a correr em Londres e movido pelo banco para comprovar a validade dos contratos, foram subscritos pela Metro de Lisboa, Carris, Metro do Porto e STCP.

Os 1113 milhões de perdas potenciais (que só se tornam reais quando os contratos são liquidados ou atingem a maturidade) correspondem a 72% do total de risco de prejuízo acumulado pelas 48 operações de derivados que continuam activas. No conjunto, as perdas potenciais destes swaps atingiram 1530 milhões até Setembro.

No relatório, o Governo relembra que a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) “avaliou operações de derivados financeiros contratadas por empresas do Sector Empresarial do Estado” e “assessorou a renegociação de alguns desses contratos, minimizando o impacto nas contas públicas”.

Desde o início do ano, foram cancelados 69 swaps vendidos por nove bancos internacionais, tendo sido pagos 1008 milhões de euros para concretizar o cancelamento antecipado dos contratos. O desconto médio feito pelas instituições financeiras rondou os 30%.

Com o Santander não foi ainda possível chegar a um acordo e, por isso, continuam activos todos os derivados vendidos pelo banco. Além destes nove subscritos por quatro empresas públicas, outros dez foram celebrados por entidades sob a alçada da Região Autónoma da Madeira.

O Estado entrou em litígio com o Santander porque as partes não conseguiram chegar a acordo sobre o desconto a fazer sobre as perdas potenciais dos swaps que o banco vendeu. Tal como noticiou o PÚBLICO, a proposta feita pelo banco ao Ministério das Finanças, que passava pela concessão de um empréstimo para pagar a liquidação dos derivados, foi rejeitada pelo Governo.

O executivo entendeu que as condições oferecidas, em termos de taxa de juro, pela instituição financeira não satisfizeram as exigências das Finanças, já que significavam um desconto ligeiramente superior a 50%, apurou o PÚBLICO.

O Expresso noticiou recentemente que o Governo pediu ao Santander uma prorrogação do prazo para contestar a acção judicial que o banco moveu em Londres para comprovar a validade dos contratos. De acordo com o Diário Económico, o prazo terá sido estendido novamente e, face a este pedido das Finanças, a instituição financeira acreditava que a proposta que fez continuava em cima da mesa.

Os swaps subscritos por empresas públicas atingiram perdas potenciais de 3300 milhões de euros até ao início deste ano. Foi a liquidação de 69 contratos que permitiu que o risco de prejuízo fosse reduzido para 1500 milhões.

Leia todas as notícias sobre o OE2014 em Orçamento do Estado