Aluno suspeito de ter esfaqueado colega e funcionária de escola de Massamá

O caso ocorreu cerca das quatro da tarde desta segunda-feira, na secundária Stuart de Carvalhais, tendo o jovem sido detido. Os ferimentos são ligeiros.

Foto

Um aluno de 15 anos de uma escola de Massamá, Sintra, é suspeito de ter agredido com arma branca quatro colegas e uma funcionária da secundária Stuart de Carvalhais, na tarde desta segunda-feira.

O alerta foi dado às 16h11. Numa aula de Português de 11.º ano, o alegado agressor terá atirado uma bomba de fumo para o interior da sala e, pouco depois, entrou com uma faca na mão, tendo atacado quatro colegas, noticiam a SIC e a TVI24, que se encontram no local.

Um dos jovens, de 16 anos, foi atingido no peito pela arma branca, outros três sofreram ferimentos ligeiros. De seguida, o alegado agressor desceu as escadas do pavilhão escolar e terá atacado uma funcionária, de 58 anos. A profissional foi encaminhada para o Hospital Amadora-Sintra e um dos jovens para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, pelos Bombeiros Voluntários de Queluz, disse o sub-comandante Hugo Neves ao PÚBLICO. Os outros feridos, assistidos no local pelo INEM, tinham pequenas escoriações e tiveram logo alta.

Segundo o assessor de comunicação do Hospital de Santa Maria, José Pinto da Costa, o jovem atingido deu entrada com ferimentos moderados e não corre risco de vida. Quanto à funcionária, tem um pequeno golpe na cara e terá alta ainda esta segunda-feira, informa Paulo Barbosa, assessor de imprensa do Amadora-Sintra.

"O jovem descompensou e começou a esfaquear pessoas. Queria cometer um assassinato em série, como se vê nas televisões", disse fonte da PSP à Lusa.

De seguida, o aluno fugiu da escola, mas foi interceptado por agentes da PSP nas imediações do estabelecimento e conduzido à esquadra de Massamá. Os colegas disseram que o jovem transportava entre seis a sete facas na mochila. Um estudante ouvido pela TVI disse que o alegado agressor não é um rapaz violento. O PÚBLICO sabe que o aluno foi detido e será presente, na terça-feira, a um tribunal de menores.

O Ministério da Educação e Ciência lamenta o incidente e "deseja as rápidas melhoras aos alunos e funcionária atingidos", informa ao PÚBLICO o gabinete de comunicação da tutela, acrescentando que a escola vai instaurar um processo disciplinar. Contudo, a ocorrência foi entregue à PSP.