Torne-se perito

David Byrne também critica serviços de streaming

Serviços como o Spotify voltam a ser postos em causa devido ao seu modelo de negócio.

Foto
David Byrne em 2009 João Henriques

Se existe alguém que nos últimos anos tem reflectido sobre as transformações da indústria da música é David Byrne – basta ler o seu livro How Music Works (2012). Talvez por isso sempre que se debruça sobre o assunto, seja ouvido com atenção.

Sexta-feira num texto publicado no The Guardian, argumenta que serviços como o Spotify podem servir as grandes editoras, os consumidores e os artistas já instituídos. Mas o problema são os emergentes.

E não está só nesta análise. Depois de Thom Yorke (Radiohead), dos americanos Black Keys ou da cantora Aimee Mann, há cada vez mais músicos a criticar os serviços de streaming, com o argumento de que criam imobilidade na cena musical em vez de contribuírem para a sua verdadeira dinamização.

Serviços como o Spotify, na visão de Byrne, não são modelos de futuro, acabando por contribuir para manter o estado de coisas, servindo apenas as editoras com grandes catálogos e os artistas já com uma carreira de sucesso.

“No futuro se os artistas dependerem exclusivamente das receitas geradas por esses serviços ficarão sem trabalho rapidamente", escreve. É verdade que alguns músicos têm outras fontes de rendimento – como os concertos – e outros estão num patamar em que podem tocar para um número razoável de pessoas porque alguma editora acreditou neles no passado, argumenta o ex-Talking Heads, mas o caso dos emergentes é diferente. Muitos desses artistas não chegaram ainda ao ponto em que podem sobreviver dos concertos e dos licenciamentos, sendo por isso muito duvidoso, segundo Byrne, que possam vir a viver apenas do modelo de negócio implementado pelos serviços de streaming de música.

Um argumento semelhante ao de Thom Yorke, que contestava o modelo de negócio praticado pelo Spotify – na generalidade, os serviços de streaming oferecem aos artistas menos de 0,5 cêntimos por audição, o que significa que os novos raramente conseguem auferir receitas significativas, necessitando de ser ouvidos milhares de vezes para alcançarem proveitos.

Existem artistas que olham para serviços como o Spotify como uma forma acessível de disseminar e dar a conhecer a sua música. Mas até neste ponto Byrne tem dúvidas, argumentando que existem outras formas de ouvir a música antes de decidirmos comprá-la, seja nos sítios da Internet dos artistas, no Bandcamp ou até na Amazon.

Mas, diz ele, o meio mais adequado para descobrir novos artistas é o boca-a-boca – “é quando alguém nos fala de determinado artista ou lemos sobre ele que temos vontade de o descobrir" e não quando navegamos num serviço de streaming.

 

Sugerir correcção