Governo prepara fim dos incentivos fiscais aos carros de serviço

Numa amostra de 205 empresas, 83% atribuem um automóvel como benefício aos quadros de topo.

Regra geral, todos os directores de empresas têm como benefício um automóvel da empresa
Foto
Regra geral, todos os directores de empresas têm como benefício um automóvel da empresa Nelson Garrido

O Governo estará a preparar o fim dos incentivos fiscais sobre os chamados “carros de serviço”. A notícia é avançada nesta segunda-feira pela TSF, que refere que as taxas sobre os automóveis, concedidos como benefício aos quadros médios e superiores das empresas, vão ser revistas. Em causa estarão poupanças de 200 milhões de euros.

Contactado pelo PÚBLICO, o Ministério das Finanças não fez comentários “sobre alegadas medidas do Orçamento do Estado”.

Um estudo elaborado pela consultora de recursos humanos Hay Group, relativo a 2012, avançava que 83% das empresas incluídas na amostra (205) concediam automóveis aos seus gestores de topo. Este é, aliás, um dos benefícios mais valorizados pelos trabalhadores e teve taxas de crescimento “agressivas” até 2009. A partir de 2010, o seu peso no valor total dos pacotes salariais tem vindo a baixar, sobretudo devido “à pressão para o controlo de custos”, lê-se no Estudo Salarial anual do Hay Group.

Todos os directores de primeira linha das empresas que responderam ao questionário da consultora têm carro de serviço. Entre os quadros superiores, 86% usam automóvel da empresa, tal como 57% dos gestores intermédios e técnicos qualificados.

No ano passado, com o corte de custos assumido como uma prioridade para as empresas, os valores comerciais e as rendas médias sobre os carros de serviços reduziram. O mesmo se passou com os plafonds de combustível atribuídos aos colaboradores, refere o Hay Group.

Além do automóvel, em Portugal, as empresas atribuem como benefícios o plano médico, seguros de vida e acidentes pessoais, telemóvel ou dias de férias extra. O mais comum é o automóvel e o menos comum é o plano de pensões.

Também a Mercer, no estudo anual que faz sobre os salários, aponta que os benefícios “continuam a ser uma das componentes mais valorizadas em Portugal, no pacote de compensação total, quando comparado com as melhores políticas seguidas pelos restantes países da Europa”.